quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Corrida Nº 198 - 95ª Corrida Internacional de São Silvestre - São Paulo-SP (31dez2019)

.
Sem muitas pretensões de resultado fui para São Paulo apenas para completar a prova.
Mas, me saí bem melhor do que esperava.
.
"Dê valor aos momentos e não às lembranças, porque o passado nunca volta."



Segue os dados gerais da prova:


Prova número: 198
Nome da prova: 95ª Corrida Internacional de São Silvestre
Cidade: São Paulo-SP
Data: Terça-feira, dia 31 de dezembro de 2019
Distância: 15kms
Tempo: 58min21seg
Média: 3min53seg por quilômetro
Colocação geral: 161º lugar e 94º entre os amadores
Atletas no geral: 35.717 atletas inscritos
Colocação na faixa etária de 40 a 44 anos: 14º lugar
Atletas na faixa etária: não divulgado.
Número de peito: 6115



Como eu competi demais em 2019 e acabei fazendo 5 maratonas no período de 12 meses (novembro de 2018 a novembro de 2019) resolvi dar um 'tempinho' aos treinos de corrida. Tirar umas férias, vamos dizer assim. rsrs
Porém, mesmo de "férias" eu não poderia deixar de ir para a corrida mais tradicional do Brasil: a Corrida Internacional de São Silvestre.

Durante o mês de dezembro acabei fazendo somente cinco treinos, sendo o último de 16kms e numa média muito boa.
Apesar de não ter feito muitos treinos de corrida, pedalei bastante nas últimas semanas que antecederam a prova paulistana.
Eu poderia não estar tão veloz como o de costume, mas estava bem resistente e daria, tranquilamente para correr razoavelmente bem e completar os 15 kms da minha 14ª São Silvestre.

E com este objetivo embarquei na rodoviária de Ubiratã no dia 29/12 às 20:20h com destino à São Paulo.
Mal começou a viagem comecei a sentir umas dores no joelho esquerdo. Estas dores apareceram praticamente do nada. Se bem que,  eu havia levado uma pancada de raspão durante uma partida de futebol de manhã. Porém, não foi nada forte e não senti nada durante todo o jogo e durante todo o restinho do domingo. Só veio doer mesmo durante a viagem.
Mas, após a parada no restaurante Paloma senti uma melhora e consegui dormir um pouco até a chegada em São Paulo às 08:30h.

E ao chegar, imediatamente me encaminhei para o Centro de Convenções do Anhembi para retirar o kit da prova.
Fui na companhia de outro ubiratanense, o João, e de outros três atletas e amigos aqui da região: o Tite e a Delair de Corbélia e o Ademir de Cascavel. Além do Rodrigo, filho da Delair que foi de companhia.

Rodrigo, Tite, Ademir, Delair, Tutta e João.


Após retirarmos os nossos kits fomos ao centro, Avenida Paulista, onde almoçamos e depois nos encaminhamos ao Beats Hostel.
A tarde demos uma voltinha a pé e fomos até o hotel oficial da corrida buscar o kit do Ademir que não pôde ser entregue no Anhembi porque ele iria sair na Elite B.
Ao voltarmos, encomendamos duas pizzas grandes numa pizzaria ao lado do hostel e lá pelas 22 horas fomos dormir.

.
No almoço.
.


Na entrega do kit da elite.
Delair, Tuta, Damião, Marcelinho, Ademir, Tite e Rodrigo.


Voltando um pouco lá atrás, durante a entrega dos kits no Centro de Convenções, acabei passando na tenda do Corrida no Ar para dar um abraço e cumprimentar o amigo Sérgio Rocha e acabei adquirindo o seu livro: 100 COISAS QUE TODO CORREDOR DEVERIA SABER..
Não é fazendo propaganda não, mais o livro é muito bom. Vale a pena adquirir.
E pra quem não conhece, ele tem um excelente canal no Youtube. Para acessar é só clicar em Corrida no Ar.


Com o amigo Sérgio Rocha.


No dia da corrida, acordei às 05:00h da manhã.
Achei muito cedo, pois a largada era só às 08:00h. Mas, todos queriam acordar mais cedo para conseguir um bom lugar para largar. Com exceção do Ademir, é claro, pois este largaria na Elite e poderia chegar um pouco mais tarde ao seu local de largada, caso ele quisesse.

Levantamos todos. Cada um tomou o seu café da manhã e partimos para a Avenida Paulista.
Primeiro, deixamos o Ademir no setor dele, depois voltamos ao setor verde onde fiquei com o Tite, enquanto a Delair seguiu para o setor azul e o Rodrigo, como ainda não tinha idade para participar da prova, iria ficar nos esperando na chegada.
Acabei não encontrando o João antes da largada. Ele havia ficado em outro hotel.


Tite, Delair, Ademir, Tutta e Rodrigo.


Adentrei com o Tite no nosso setor e fomos tentando abrir caminho para tentar chegar o mais na frente possível e como em 2018, acabamos encontrando com o Elton de Ibiporã. Amigo e corredor dos bons. E com as conversas parece que o tempo passou mais rápido e logo já estávamos largando.

Antes da largada.


A largada se deu às 08:05h. Uma hora mais cedo que em 2018. Porém, em 2019 não tivemos horário de verão e se tivesse, às 8 seria às 9. Ou seja, largamos no mesmo horário.
Temperatura estava alta. Já na casa dos 25 a 26 graus e com poucas nuvens.
Se bem que, para mim pouco importava, pois estava ali apenas para completar e assim não quebrar a sequência de São-Silvestres.

Mas, com o desenrolar da prova vi que estava indo muito bem.
Com exceção, é claro, daquela largada tumultuada. Nunca me dou bem em largada com grande número de atletas. Sempre largo na cautela. No entanto, como eu dizia, com o desenrolar da prova eu ia seguindo num ritmo muito bom.

Passei a marca do km 5 com 18 minutos alto e cheguei nos 10km com 38'17, se não me engano. E tentei dar uma puxadinha para chegar no "pé" da subida da Brigadeiro com pelo menos dois minutos de vantagem. Ou seja, como eu vinha bem, o objetivo havia mudado para completar a prova abaixo de uma hora e estes dois 'minutos de vantagem' seriam: chegar no quilômetro 12 com pelo menos 46 minutos. Daí, mesmo que eu fizesse com 5 minutos cada quilômetro, dos dois da subida da Brigadeiro, eu conseguiria completar a corrida abaixo de uma hora.
E fui bem até demais dali para frente.


Conferindo o tempo na passagem da km 10.


Entre o quilômetro 11 e 12 acabei alcançando e ultrapassando o Elton. Ele que foi segundo, e eu terceiro na Meia das Cataratas esse ano (2019).
Como eu vinha forte, tentei dar uma força pra ele dizendo que aquele ritmo era pra sub-1h e fiz sinal pra ele vim junto. Mas, ele acabou não me acompanhando.
E isso parece que me deu mais forças ainda, pois, como sei que ele é um excelente corredor, mantive-me firme na passada para tentar chegar na frente dele e isso fez que eu abrisse uma boa vantagem sobre ele e apesar de não ter feito uma boa subida. Cheguei lá na Paulista com o meu segundo melhor tempo na Brigadeiro (8'35 contra 8'32 em 2018).


Essa Brigadeiro não é nada fácil.


Depois foi só virar à direita e correr mais alguns metros para cruzar a linha de chegada da minha 14ª São Silvestre, treze delas em sequência, com o tempo líquido de 58min21seg (dois minutos e dois segundos mais rápido do que no ano passado "2018").
Essa foi a 7ª vez que completo a prova abaixo de uma hora e este é o meu 5º melhor tempo das 14 participações.

Entre os atletas amadores eu obtive a 94ª colocação geral e o 14º lugar na faixa etária.
Já, somado os atletas de elite, dos 72 que completaram a prova eu cheguei atrás de 67. Ou seja, na classificação geral eu fui o 161º colocado.
Consolidando assim, a minha melhor participação na prova. Eu que havia ficado na colocação 170 em 2017.

E assim eu fechei o ano de 2019, que considero o meu melhor ano no atletismo, com a minha melhor participação na São Silvestre.
No quesito tempo, já fiz melhores. Mas, em termos de colocação final, essa foi a melhor

Após concluída a prova, fiquei no aguardo dos demais amigos (os resultados deles serão postados nas fotos abaixo) e depois nos encaminhamos ao hotel e pouco depois me despedi deles e parti rumo ao aeroporto de Congonhas e voltei para casa naquele mesmo dia para passar a virada do ano com minha esposa e demais membros da família.


Desembarcando em Maringá.


E assim foi mais uma corrida na vida deste simples atleta amador.



Segue abaixo mais fotos:

Meu número.
.
.


O kit. Bem fraquinho, pelo preço.
E tudo entregue dentro de uma sacola de plástico. Um absurdo.
.
.


Largada.
.
.

Durante o percurso 1.
Passando em frente ao Pacaembu.
.
.

Durante o percurso 2.
.
.

Durante o percurso 3.
.
.

Durante o percurso 4.
.
.

Durante o percurso 5.
Passando pelo Teatro Municipal 1.
.
.

Durante o percurso 6.
Teatro Municipal 2.
.
.
Completando a minha 14ª São Silvestre.
.
.

Após a prova.
.
.

Após a prova com os amigos Reginaldo de Cascavel, Elton de Ibiporã e Tite de Corbélia.
O Reginaldo completou a prova com 1h10'33, obtendo a colocação de número 829 entre os atletas amadores e a 164ª colocação em sua faixa etária.
O Elton completou com 59'36, obtendo a colocação de número 140 entre os atletas amadores e a 27ª colocação em sua categoria.
E o Tite completou com 1h08'18, obtendo a colocação de número 623 entre os atletas amadores e a 112ª colocação em sua faixa etária.
.
.

João, eu e o Tite.
O João completou a prova com 1h42'07, obtendo a colocação de número 7.554 entre os atletas amadores e a 1.802ª colocação em sua categoria.
.
.

Delair, Eu, João, Ademir e Tite.
A Delair completou a prova com 1h58'27 e obteve a colocação de número 3.417 entre as atletas amadoras e a 317ª colocação em sua faixa etária.
O Ademir, que largou na Elite B completou com 51'38 e foi o 50º colocado geral "entre os elites" da prova.
.
.

Classificação elite masculina - página 1
.

Classificação elite masculina - página 2
.
.

Os 10 primeiros entre os atletas amadores no masculino.
.
.

Minha colocação 'entre os amadores'.
.
.

Classificação da elite feminina.
.
.

Medalha da prova.
.
.

Quero deixar aqui registrado também, a participação da Neuza Angelossi.
Primeira mulher ubiratanense a correr e completar uma Corrida de São Silvestre.
Ela completou os 15kms com 1h19'55, obtendo a colocação de número 129 entre as atletas amadoras e a 35ª colocação na sua faixa etária.




Agradecimentos:
Primeiramente a Deus pela prova, viagem, estadia em São Paulo e principalmente pelo excelente ano que Ele me proporcionou no atletismo em 2019;
Agradecimentos também, referentes a esta prova, à Academia Boa Forma por deixar sempre as portas abertas para mim;
Ao Deguinha, do Salão de Cabeleireiro do Deguinha pela "gorjeta" e ao amigo João, da Comandos Motos, pelo presente a mim dado lá na entrega do kit.
Eu que costumo correr com o celular na mão, aquela pochete porta documentos me ajudou a correr mais 'solto' na prova.


Abraço a todos e Feliz 2020.


#tuttamaratonista

Nenhum comentário: