terça-feira, 31 de janeiro de 2023

Retrospectiva 2020

 
... Postagem atrasada ...


Apesar de já estarmos 2023, somente agora é que venho trazendo a minha retrospectiva do ano de 2020. Tive muitos afazeres e precisei deixar de lado os resumos mensais e as retrospectivas. Mas, vou retomando pouco a pouco até normalizar tudo.

E como sempre faço nas minhas retrospectivas, vou começar trazendo um "resumão" contando como foi as atividades do ano de 2020 de uma forma geral e depois farei um pequeno resumo mês a mês.
Vamos lá.



RESUMÃO:



► Foram 121 treinos de corrida que totalizaram 1.279kms750mts feitos em 87h42min04seg (media de 4min06seg por quilômetro).
► Foram 24 competições, sendo 4 delas válidas pelos Jogos Abertos Municipais (JAMU's), que totalizaram 341kms800mts feitos em 23h49min51seg (media de 4min10seg por quilômetro).
► Na quilometragem total corrida no ano foram 1,622kms550mts feitos em 111h34min55seg (media de 4min07seg por quilômetro).
► Na bicicleta foram 54 pedais que totalizaram 2.115kms800mts.
► Na caminhada foram 13 atividades que totalizaram 102kms100mts.

► Além de 30 sessões na academia.
► E em 141 dias foram de folga. Ou seja, sem treinamento algum.


No quesito provas, foram 24 competições (4 delas pelos Jamu's) e 21 pódios no total (3 deles pelos Jamu's), sendo:


► 5 pódios como campeão geral (3 deles nos Jogos Abertos Municipais e 1 em equipes);
► 3 pódios como campeão na categoria por faixa etária;
► 3 pódios como vice-campeão geral;
► 1 pódio como 3º lugar geral;
► 2 pódios como 3º lugar na categoria por faixa etária;
► 1 pódio como 4º lugar geral;
► 6 pódios como 5º lugar geral (1 deles em equipes, e 1 como dupla premiação).




Agora segue um breve resumo mês a mês:



Foi um mês de poucos treinos de corrida. Apenas 6 atividades que totalizaram somente 52,3kms.
No entanto, fiz 11 atividades de mountain bike e cheguei a pedalar 893,8kms no mês. E ainda fiz 45,7kms de caminhada com a minha esposa e fui uma única vez à academia.
Em relação à competições, não participei de nenhuma.




Apesar de ter feito poucos treinos em Janeiro, iniciei Fevereiro competindo na cidade de Bituruna-PR numa prova de 16kms de muita subida e percursos passando por baixo de parreirais de uvas carregados e todas madurinhas. Completei a prova com 1h08min33seg e conquistei o 2º lugar na categoria.
Já nos treinos do mês, rodei 105,2kms. Pedalei outros 181,7kms e fiz 35,4kms de caminhada.




Em Março, a convite do amigo Maicon de Cascavel, eu participei de um desafio em equipes chamado Desafio Feras do Brasil onde o intuito era correr 21 dias de 10kms, fazer 5 treinos de 50kms e 5 folgas que era obrigatória. A equipe que chegasse ao final do mês com mais kms rodados era a campeã 'simbólica', pois não haveria prêmios. No entanto, o desafio precisou ser paralisado no dia 21 devido a uma terrível epidemia (Covid-19) originado da China e que teve sua 'amenização', digamos assim, a partir do final de 2021 com a vacinação em massa da população. No entanto, milhares de pessoas acabaram perdendo suas vidas em pouquíssimos dias após serem contaminadas.
Iniciamos uma quarentena (na época) onde o distanciamento social, o uso de máscara e álcool em gel eram obrigatórios.
Mas, antes da quarentena eu ainda participei da Corrida das Flores em Corbélia, mesmo depois de ter feito um treino de 51kms no dia anterior onde completei com 4h33min43seg. Já os 6,2kms da prova completei com 21min51seg e conquistei o 5º lugar na classificação geral.
Os outros dois longos de 50, que na verdade, um deles eu fiz 52,5kms dia 14 (5h06'03) e no dia 1º eu fiz os exatos 50kms com 4h21'05.
Ainda antes de fechar o mês, no dia 28 eu fiz um treino de 42,2kms na pista de atletismo com 2h48'37.
E a quilometragem total do mês foi de 368,7kms. E ainda pedalei outros 92,1kms.




Neste mês participei da minha primeira prova virtual correndo no quintal de casa. Mais precisamente na calçada ao redor da casa, pois o terreno é pequeno e não tenho quintal.
Devo ter corrido uns 8kms ou mais e o Strava marcou apenas 5km. Distância esta que foi a escolhida neste desafio.
Em relação a treinos, fiz 100,9kms em 8 dias de atividades.
Também fiz 6 pedais que totalizaram 258,1kms.




Mês onde foi finalizado o Desafio Feras e mesmo tendo sido reduzido os dois últimos longões de 50 para 30kms. Acabei mantendo o espírito do desafio e mandei dois ultra-treinos.
Um com 55 e outro com 62kms pra fechar com chave de ouro a minha participação no desfio.
Mas, não foi um mês muito bom. Haja vista que havia caído de bike no início do mês e tive uma luxação no dedão da mão esquerda e comecei a sentir uma lesão no tornozelo direito durante a parte final dos 62kms.
Entretanto, foi um mês onde corri 190,1kms e pedalei outros 310,9kms.




Junho foi o mês onde corri mais maratonas na minha vida. Foram 4. Não oficiais, obviamente. Pois, devido a pandemia, provas não existiam. Foram todas em treinos.
Após terminado o Desafio Feras, a galera resolveu criar um novo desafio e por conta disso corri as 4 maratonas. Já que, o objetivo do desafio era fazer 21kms por dia, sem obrigatoriedade de folga no mês e 4 longos de até 42kms. E em dois destes longos fiz em dois dias consecutivos. Sábado e domingo (dias 27 e 28) e completei os dois treinos de 42ms seguidos com tempos parecidos (3h41 e 3h51, respectivamente). Já os dois primeiros treinos de 42kms foram com 3h34 (dia 10) e 3h47 (dia 21). E fechei o desafio, e consequentemente o mês de junho, com exatos 600kms. Meu recorde pessoal em um único mês.
Já em relação ao pedal, fiz 295,3kms.





Devido a alta rodagem do mês anterior, em Julho fiz apenas 9 dias de treinos que totalizaram pouco mais de 81kms.
Já na bike, fiz 5 pedal que totalizaram 175,8kms.




Como não estava tendo competições, fiquei bastante desmotivado a treinar e em Agosto fiz apenas 10 treinos ao longo do mês que chegaram a apenas 76,8kms.
No pedal fiz apenas 1 com107,6kms e fiz duas caminhadas totalizando 12,2kms.




Mais um mês sem competição. Mas, havia uma previsão de que no dia 13 de dezembro aconteceria a 1ª Maratona de Ponta Grossa e eu havia iniciado o treinamento no último dia do mês anterior e em Setembro fiz 17 dias de treinos chegando a atingir 197,3kms ao longo do mês.
Fiz uma caminhada de 7,9kms e dois pedal curto, que totalizou 26,8kms.
Um dos melhores treinos do mês foi no dia 22 quando marquei 16min02seg nos 5kms, onde, aproximadamente 4,5kms é em descida.




Neste mês pintou uma prova na cidade de Cascavel, Circuito da Onça onde fui o 4º colocado geral completando os 4,2kms ao redor do Lago Municipal com 14min07seg.
Já em relação aos treinos, foram 15 dias que totalizaram 205,6kms.
Fiz mais 18,7kms em uma caminhada no dia 12 e no pedal foram apenas duas atividades curtas que chegou ao total de 69,2kms.






Neste mês fiz 14 dias de treinos totalizando 148,1kms.
E fiz 3 atividades na bike chegando a 245,4kms.





A Maratona de Ponta Grossa acabou sendo cancelada devido a pandemia, mas como eu já vinha em treinamento acabei fazendo a Maratona Virtual de Dois Vizinhos. A 'prova' foi feita ao redor do Lago Municipal de Ubiratã e concluí os 42,2kms com 3h23min31seg. Não houve classificação final. Mas, acabei tendo feito o tempo mais rápido dentre todos os participantes.
E pela primeira vez na história, não houve a tradicional Corrida de São Silvestre, mas resolvi fazer a minha Maratona de São Silvestre na pista ao redor do Lago de Ubiratã. E ao invés dos 15kms, fiz 42kms que completei com 3h31min13seg. E fechei o mês de dezembro de 2020 com apenas 7 dias de treinos, mais a prova virtual, que somados deu 152,7kms.
Fiz 4 dias de caminhada. Total de 26,3kms e fiz 3 pedal que totalizou 223,9kms.


E assim fechei o ano de 2020.

domingo, 15 de janeiro de 2023

Corrida Nº 223 - 97ª Corrida Internacional de São Silvestre - São Paulo-SP (31dez2022)

 E lá vamos nós para mais uma Corrida Internacional de São Silvestre.
A minha 16ª.

"Quando finalizar uma etapa, não olhe para ela como uma linha de chegada. Mas, sim, como um ponto de partida para uma nova jornada."

 

Segue os dados gerais da prova:

Corrida número: 223
Nome da prova:  97ª Corrida Internacional de São Silvestre
Cidade: São Paulo-SP
Data: Sábado, 31 de dezembro de 2022
Distância: 15kms
Tempo: 58min31seg
Media por quilômetro: 3min54seg
Colocação pelotão geral: 124º lugar
Colocação geral (somando a elite): 163º lugar
Atletas no geral: Não divulgado, mas deve ter tido cerca de 20 mil concluintes
Colocação na categoria por faixa etária dos 45 aos 49 anos: 13º lugar
Atletas na faixa etária: Não divulgado
Número de pódios (fora de Ubiratã): 116 pódios
Pódios por classificação geral: 46 pódios
Pódios na categoria por faixa etária: 66 pódios
Pódios em equipes e/ou duplas: 4 pódios

Número de peito: 3971


Na noite do dia 28 de dezembro de 2022 embarquei para a São Paulo onde faria a minha 16ª participação
 na Corrida Internacional de São Silvestre.
Este ano resolvi ir dois dias antes para ver se dava para descansar melhor. Não sei se deu, pois no dia da prova parece que estava mais cansado do que quando viajo apenas com um dia de antecedência. kkkkkk

Ao chegar em São Paulo, na manhã do dia 29, fui com os amigos Tite de Corbélia e Ademir de Cascavel buscar os kits.
No retorno almoçamos e fizemos o check-in no hotel.

Na entrego dos kits.


A tarde a intensão era fazer uma visita para o meu tio e primos no bairro de Perus, mas o pessoal queria que eu fosse fazer um treininho leve com eles lá no Ibirapuera. E fomos.
Rodamos quase 7kms saindo do hotel até começar a chover lá no parque.


Durante o treino.
Vídeo do treino clique Aqui.


Após a chuva retornamos caminhando para o hotel, tomamos cada um o seu banho e fomos jantar.
Fomos dormir cedo. Antes das 22 horas.

Jantando com os parceiros Tite e Ademir.


Acordamos quase 9 da manhã.
A maior vantagem de ir dois dias antes fui isso: poder dormir até mais tarde no dia seguinte. rsrs
Após tomarmos café (achei bem fraco o café da manhã do Hotel Praça Orione. Mas, a diária foi bem em conta e compensou. rsrs) e fomos até o Brás. Retornamos após o meio-dia, almoçamos e aí sim fui até Perus rever meu tio e primos. Antes, porém, fui até a Av. Rebouças pegar as medalhas do: "Eu Venci a Brigadeiro"
 e segui para Perus em seguida.

Retornei ao hotel após às 22:30hs e fui dormir tarde.
Nem jantei. Comi apenas um lanche e um H2O que comprei no Pão de Açúcar e nada mais. rsrs

Na Estação de Perus esperando o trem.


De manhã, dia 31, acordei às 05:00 horas, tomei o meu 'tradicional' café no quarto e segui com os amigos Ademir e Tite e com os amigos ubiratanenses Fernando e Marluce que chegaram no dia anterior.

Chegamos na Avenida Paulista por volta das 06:05hs da manhã e apesar do número de atletas ter quase dobrado em relação ao ano de 2021,  estava bem tranquilo e nos perfilamos bem próximo a faixa de largada no setor laranja e ficamos "plantados" por lá até dar o horário da largada às 08:05h da manhã.

Pronto para mais uma São Silvestre.


A princípio o calor não estava atrapalhando. Porém, estava bem mais quente que no ano anterior onde teve um leve chuvisqueiro antes da largada. Este ano (2022) estava na casa dos 23 graus e essa temperatura foi aumentando e atrapalhou um pouco durante a prova.

A largada da São Silvestre é sempre complicada e procuro sempre sair com cautela e além da cautela, este ano corri gravando, então, todo cuidado seria pouco.
Demorei cerca de um minuto até cruzar a linha de largada e começar a contar o tempo.
Correr mesmo, só consegui após passar por baixo do primeiro viaduto e começar a descer do outro lado. Ou seja, espaço bom só após 1km que passei com cerca de 4 minutos e alguns segundos.

O Strava como sempre, 'comeu barriga' e não deu para saber quais foram os tempos exatos de cada km. 
Tô precisando urgente de um relógio com GPS para tentar solucionar este tipo de problema. rsrs

No km 2 o tempo marcado pelo meu relógio cronometro 'paraguaio' era de 11min58seg. E cheguei nos 5kms com 19min44seg.
Achei que seria difícil completar a prova com um tempo melhor do que o do ano anterior (1h00:47) pois o início é um percurso muito favorável e passei com o primeiro terço da prova com um tempo bem acima do esperado. E para complicar um pouco
 mais, eu já vinha sentindo algumas dores debaixo da costela desde o quilômetro 2 e com todos estes problemas adversos, alcançar o objetivo seria uma missão dificílima.
Mas, mudei um pouco a respiração e parece que as dores estavam diminuindo.

No quilômetro seguinte passei pelo Tite, que disparou na hora da largada, e dali para frente não mais senti as dores, pelo menos
 não percebia mais. rsrs
No entanto, o cansaço começava a aparecer.

Cheguei ao final de 2022 muito desgastado e cansado fisicamente devido às provas de alto nível e principalmente pelas 6 maratonas que corri num período de 8 meses neste ano (de março a novembro).
Mas, enquanto houver vida, vamos lutar. rsrs

Mesmo correndo e gravando as passadas são largas e o ritmo forte.
O vídeo que fiz na prova pode ser visto lá no meu canal Correndo Corridas no YouTube.


Cheguei no quilômetro 10 com 38min37seg. Muito bom.
Já havia melhorado em relação aos primeiros cinco quilômetros e a ideia agora era chegar nos 12 quilômetros com pelo menos 2 minutos de 'sobra'. Ou seja, já que a ideia é completar abaixo de uma hora, ou quatro minutos de media por quilômetro, eu precisaria chegar no 12 com pelo menos 46 minutos, para quando chegar na Brigadeiro eu ter estes dois minutos de tempo 'extra' para "perder" e assim fechar a prova sub-1h.
Então, tratei
 de manter o ritmo.

Cheguei no quilômetro 12 muito bem. Só que não lembro exato o tempo. kkkk
Mas, estava dentro da meta.

Entrando com tudo na Avenida Brigadeiro.


Ao passar pela placa dos 13 kms o tempo no cronômetro era de 50min17seg. Ou seja, eu poderia dar um "refresco" na subida da Brigadeiro que a prova seria completada abaixo dos 60 minutos. Mas, tentei me manter focado e não 'tirei' muito o pé.
Inclusive, fiz Recorde Pessoal no segmento do Strava na Subida da Brigadeiro (8min21seg para os 2kms do segmento).

Subindo forte a Brigadeiro e trazendo um pelotão.


Não consegui ver os segundos, mas cheguei no quilômetro 14 com pouco mais de 54 minutos.
Pouco depois, Venci a Brigadeiro, entrei na Paulista e foi acelerar para fechar os cerca de 15,3kms da prova com 58min34seg. Tempo este marcado pelo meu relógio cronômetro. Fiquei Feliz demais da conta por ter melhorado em mais de 2 minutos o tempo do ano anterior.
Já no resultado oficial divulgado alguns dias depois, o tempo ficou em 58min31seg.

Minha 16ª chegada e uma das melhores participações na São Silvestre.


Ao final, peguei a medalha que achei tão simples quanto a de 2021 e fomos obrigados a deixar a Paulista sem poder seguir para o Masp para as tradicionais fotos pós-prova.
Mas, mesmo assim não deixamos de celebrar mais uma São Silvestre e mais um ano de vida, corrida e amizade com a galera. E celebramos com uma boa e bela Heineken gelada. rsrs

E viva a São Silvestre. rsrs


Tudo entregue. Prova perfeita e ano impecável.
Voltamos então para o hotel, fechamos a conta e partimos de volta para a casa às 15:30h.
Cheguei em casa no dia 1 º de janeiro de 2023 às 05:00hs da manhã.

E que venha 2023 com muita saúde, paz e conquistas.


Segue abaixo mais algumas fotos:

O kit sempre bem básico do São Silvestre.
.
.

Passando pelo Theatro Municipal.
.
.

Na entrega dos kits com o Tite de Corbélia e o Ademir de Cascavel.
.
.

Após o treininho e a chuva no Ibirapuera.
.
.

Após a prova no dia 31, sem poder ir no Masp.
.
.

Com o amigo Freddie Mercury; quer dizer, Marcos Albert de Maringá.
Ele correu desse jeito. De calça jeans e microfone e completou os 15kms com 1h26min.
.
.

Celebrando mais um ano com os amigos:
Ademir 50:50 - 3º lugar no pelotão geral
Fernando: 1h06:23
Tite: 1h05:13
.
.

Esta é a maior delegação do Atletismo Ubiratã que se tem registro na história da Corrida Internacional de São Silvestre.
João: fez 1h39:27 em sua 5ª São Silvestre.
Tutta: eu completei com 58:31 na minha 16ª participação.
Fernando: completou com 1h06:23 em sua 2ª São Silvestre.
Marluce: com 1h29:06 estreou na mais tradicional prova do pedestrianismo nacional.
.
.

Já no hotel com a medalha "Eu venci a Brigadeiro".
.
.

Fechada a conta de mais uma prova.
.
.

Eu venci a Brigadeiro.
.
.

Valeu pela parceira e apoio galera.
.
.

Partiu voltar pra casa.
.

Minha colocação no pelotão geral.
Somando com a elite daria a colocação de número 163.
Esta foi a 2ª melhor colocação na prova. Perdendo apenas para o ano de 2019 quando fui o 161º colocado.
Já em relação ao tempo de conclusão; este foi o 7º melhor tempo.
O melhor tempo foi em 2011 quando completei com 57:30.
.
.

Classificação de toda a elite masculina.
.
.

Classificação das 20 primeiras colocadas na elite feminina.
.
.



Despesas:

Inscrição: R$230
Passagens: R$389,10
Transportes (Uber, Metrô e Trem - para mim, Tite e Ademir): R$94,44
Lanches: R$100 (aproximadamente)
Fotos (minha e do Tite): R$146,60
Extras (cerveja, camiseta, medalhas e máscaras): R$240
Hotel e alimentação: Tite e Ademir pagaram.

Total: R$1.200,14

Patrocínio: R$1.200,14

Patrocinadores: Tite, Ademir e colaboradores do canal Pé Frio Loterias no YouTube.



Tutta Maratonista.

sábado, 24 de dezembro de 2022

Corrida Nº 222 - Maratona Monumental de Brasília - Brasília-DF (27nov2022)

 E começa mais uma saga. Rumo a mais uma maratona.

"As pernas são importantes, mas a mente e o coração são essenciais para superar qualquer adversidade."


Segue os dados gerais da prova:

Corrida número: 222
Nome da prova:  Maratona Monumental de Brasília
Cidade: Brasília-DF
Data: Domingo, 27 de novembro de 2022
Distância: 42,2kms
Tempo: 3h07min33seg
Media por quilômetro: 4min26seg
Colocação geral: 26º lugar
Atletas no geral: 487 corredores
Colocação na categoria por faixa etária dos 45 aos 49 anos: 5º lugar
Atletas na faixa etária: 47 atletas
Número de pódios (fora de Ubiratã): 116 pódios
Pódios por classificação geral: 46 pódios
Pódios na categoria por faixa etária: 66 pódios
Pódios em equipes e/ou duplas: 4 pódios

Número de peito: 429


Uma semana após a Maratona de Curitiba lá estava eu de novo embarcando para mais uma enrascada, quer dizer, maratona. rsrs
Esta seria a primeira vez que eu correria duas maratonas em duas semanas seguintes. E pra começar, precisei acordar às 02:10h da manhã de sexta-feira, dia 25 de novembro de 2022 para ir à Cascavel onde pegaria um avião com destino à Brasília.

O voo só seria às 12:30h, mas como não possuo carro e não tinha outro horário de ônibus mais apropriado, precisei me sacrificar e seguir viagem, mesmo faltando tanto tempo para o voo. Uma outra opção seria pedir para alguém me levar até o aeroporto. Mas, como se tratava de um dia normal de trabalho, conseguir alguém seria muito difícil. Sem contar que eu gastaria 3 vezes mais o valor de uma passagem de ônibus e como o meu dinheiro já estava no limite, achei melhor economizar um pouco. rsrs

Desta vez o ônibus da Expresso Maringá atrasou bem pouco e embarquei às 03:25h da manhã e cheguei em Cascavel às 05:00 horas e o jeito foi esperar até umas 9 e depois deste horário segui para o aeroporto onde aguardei por lá o restante do tempo antes do voo.

Decolamos pontualmente às 12:30h e depois de uma escala em Guarulhos e espera de cerca de 4 horas, finalmente desembarco no aeroporto de Brasília às 20:00 horas. No entanto, cheguei no hotel somente às 21:30h e por acaso, na rua em frente ao hotel eis que encontro com os amigos Fernando e sua esposa Ana.
Conversamos um pouco ali na frente do hotel e em seguida fiz o check-in e depois de deixar a bolsa no quarto fui até o Shopping Brasília que ficava a duas quadras do hotel para comer alguma coisa, mas já estava tudo fechando e para não dormir com fome, comprei apenas um refri e uns salgados nas Lojas Americanas no térreo do shopping e voltei para o hotel e às 23:00 horas fui dormir.

Com o casal de Pernambuco: Ana e Fernando.


Acordei às 08:30h. Tomei café no hotel e fui dar uma volta até dar o horário da retirada do kit. Passei pelo Estádio Mané Garrincha, Catedral, Esplanada dos Ministérios, Congresso Nacional e arredores, rodoviária e segui para retirar o kit e a surpresa estava por vir.

O meu nome não constava entre os inscritos. Depois de muita procura sem sucesso, a moça tirou foto do meu comprovante de pagamento e me pediu para aguardar, pois ela iria enviar para o organizador da prova e dentro de alguns minutos descobrimos o que houve. Como a prova era para ter sido realizada em abril, e foi transferida para novembro, achando que não teria soluções de transferir minha passagem aérea sem perder boa parte do dinheiro, resolvi "perder" esse dinheiro e pedi o ressarcimento do valor da inscrição, que não recebi até hoje. Mas, na ocasião me informaram que o site ticket agora iria entrar em contato comigo para a devolução. Como não recebi nenhum contato, achei que a minha inscrição ainda constava como feita. Mas, não. Estava cancelada. E eu só poderia fazer uma nova incrição e pagar novamente se sobrasse vagas e para isso eu precisava aguardar até as 17 horas que era o horário final da entrega dos kits. Nisso eu já tinha encontrado, por acaso com o João e a Izabel, amigos de Brasília, e o João se disponibilizou a passar a inscrição dele pra mim, pois ele estava sentindo dores no joelho e provavelmente não terminaria a prova.

Mesmo assim esperamos até as 17 horas e por sorte sobrou 15 kits que seriam repassado pelo valor de R$ 199,90. Mas, o João insistiu em passar o kit dele pra mim. Mesmo não querendo acabei aceitando devido a insistência dele. Mas, não achava justo porque o erro na minha inscrição era somente meu, por não ter consultado o site antes da viagem e porque ele, o João, iria ficar sem medalha na final da prova. No entanto, estava disposto a dar a medalha pra ele. E após tudo resolvido, ele me levou para o hotel e a noite combinamos de jantar.

PS: Faltou o registro do jantar.

No dia seguinte, dia da prova, acordei às 04:10h, pois o João havia combinado comigo, com o Carlos Bento e Shyrlei que passaria para nos pegar às 04:45h para irmos até o Rodoferroviária, local da largada da prova. Achei bastante afastado e longe. Mas, enfim...
Chegamos meia hora antes. Fizemos a foto oficial e ficamos aguardando a largada que estava prevista para as às 05:35h, mas acabou atrasando 25 minutos e saímos às 06:00hs
Um absurdo isso.

Foto Oficial:
João, Izabel, Eu, Shyrlei e Carlos Bento.
.

Nesta outra foto aparecem os Baleias Wu e Fernando, além de outras pessoas que devem ser amigos da 'Baleiada'.
.

 Dada a largada saímos fazendo zigue-zagues. Não para obter ultrapassagens, mas sim por conta do percurso que era cheio de curvas.
No início consegui manter um bom ritmo e estava entre os 15 primeiros colocados. Mas, perto do quilômetro 10 comecei a sentir umas leves dores na musculatura das duas coxas e estava torcendo para não agravar durante a prova.

Passei a marca dos 10kms com 38:50. Vinte segundos mais rápido do que a prova de Curitiba uma semana antes.
Cheguei nos 15kms com 57:02. Excelente. Mas, as dores permaneciam e tratei de reduzir um pouco o ritmo e cheguei na marca dos 21kms com 1h22 e alguma coisa. Cerca de um minuto mais lento que em Curitiba. Ou seja, o ritmo já havia caído bastante nos últimos 7 quilômetros.

Achei o percurso até ali muito bom. Lembrando que, havia subidas, mas como eu faço muito treino em subida em Ubiratã, estava achando o percurso muito favorável.
Mas, as dores começaram a aumentar. Comecei a passar gelo em alguns pontos de apoio, mas parece que não adiantava muito e o ritmo após os 21kms estava sendo sempre acima dos 4 minutos. Ainda assim, cheguei no km 30 com 1h59 e alguns segundos. Ou seja, era só manter os últimos 12kms na casa dos 5 minutos que ainda brigaria para uma prova  sub-3.

Mas, ao retornar da Asa Sul, senão meu engano, a gente passa por baixo da rodoviária  e pra isso, tem duas descidinhas e ali as dores aumentaram. E dali pra frente foi só sofrimento, principalmente nas descidas onde o impacto era maior. Nas subidas eu não sentia tanto, mas nas descidas estavam sendo uma tortura. rsrsrs
Não sei se isso já aconteceu com alguém, mas eu literalmente quebrei por causa das descidas. Olha a que ponto cheguei. kkkkk

E ao chegar no km 38 foi inevitável não caminhar. As dores ali eram tanto que fui obrigado a intercalar corrida e caminhada, mas após ultrapassar o quilômetro 40 não teve jeito de manter-me correndo e tive que caminhar até quase o finalzinho.

Cheguei no km 40 com 2h50. Ainda dava sub-3 senão tivesse que caminhar. Mas, eu não conseguia mais correr. Só ensaiei um trote nos últimos 100 metros para cruzar a linha de chegada com o tempo de 3h07min55seg de muito sofrimento.

Após a chegada me encostei num canto ao lado do Banco do Brasil, pois não tava me sentindo muito bem. Até acabei vomitando um pouco e nisso chegou um socorrista do Corpo de Bombeiros e ficou ao meu lado por uns 10 a 15 minutos olhando meu batimento cardíaco, me orientando na respiração e até buscou dois copos de água na sequência. Ele foi de uma gentileza sem sim. Após recuperado procurei uma massagem e na sequência fui em busca da minha medalha Top-42 e foi uma enrolação danada para conseguir retirá-la.

Fui na tenda da premiação e me pediram para ir no pódio. Fui no pódio, me mandaram voltar na tenda da premiação. Chegando novamente na tenda me disseram que eles não tinham autorização para entregar. Mesmo tendo saído a classificação e o meu nome estando na colocação de número 26.

Cerca de meia hora depois liberaram a entrega. Achei uma baita sacanagem. Sem contar que, o locutor informou que os troféus iriam ser entregues pelo correio. Todo mundo vaiou na hora. Pouco depois informaram que mudaram de ideia e disseram que entregariam o troféu ali, mas não teria pódio. Apenas iriam chamar os atletas, entregariam o troféu e eles precisavam se retirar e quem quisesse fazer uma foto nó pódio precisaria esperar entregar todos os troféus primeiro.
Fizeram um excelente trabalho na entrega de kit fornecendo inscrições para quem havia tido problemas e no final fazem isso.
Uma falta de respeito para quem correu e conquistou o tão merecida premiação.

Eu, infelizmente não consegui pódio. Havia sido 3º colocado na categoria nas outras duas vezes que corri em Brasília, mas devido ao meu tempo não tão bom, desta vez fiquei de fora. Mas, voltei satisfeito.
Foi a minha 28ª maratona. A 6ª em 2022.
Valeu pela experiência de correr duas provas de 42 quilômetros no intervalo de apenas 7 dias.

Ao voltar para o hotel descansei um pouco e mais a tarde saí com o pessoal para o almoço e retornei ao hotel novamente após às 18 horas. Antes, porém, não poderia deixar de presentear o João com a minha medalha, que na verdade era a dele.
Muito obrigado João.

No almoço.
Valeu pelo companheirismo e amizade galera.
.
.


Entregando a medalha e agradecendo ao amigo João de Brasília pela cortesia da inscrição.



Fui dormir às 23 horas.
Acordei às 04:00h.
Segui para o aeroporto onde embarquei de volta para casa.
Cheguei em Ubiratã às 17:00 horas e muito cansado. rsrs

E lá se foi mais uma ...


Segue abaixo mais algumas fotos:

Meu número com o nome do João feito uma pequena "adaptação". rsrs
.
.

Pouco antes da largada.
.
.

Passando pela Torre de TV por volta do km 14.
.
.

Passando em frente ao Estádio mané Garrincha.
PS: não costume fazer print das fotos, mas achei muito caro e me 'obriguei' a fazer isso.
.
.

Banco Central.
.
.

Sofrendo demais na parte final.
.
.

"Se ela é maravilhosa, não será fácil.
Se for fácil, não será maravilhosa.
Se ela vale a pena, você não vai desistir.
Se desistir, você não é digno."
.
.


Após a prova.
.
.

A medalha de participação, que ficou com o João>
E a medalha Top-42 por ter completada a prova entre os 42 primeiros colocados.
.
.

Os 5 primeiros colocados na categoria 45/49 anos.
.
.

O certificado de conclusão da prova.
O tempo tá um pouco inferior ao da listagem pós-prova.
Achei bem melhor. rsrs
.
.

Os 30 primeiros colocados da maratona categoria masculina.
Não sei até quando, mas a classificação pode ser vista Aqui.
.
.

As 15 primeiras colocadas nos 42k feminino.
Resultados "não sei até quando" Aqui.
.
.

Meu passeio no sábado.
Estádio Mané Garrincha.
.
.

Catedral Nossa Senhora Aparecida.
.
.

Congresso Nacional.
.
.

O meu almoço.
Cortesia: João
.
.

Shopping Brasília.
.
.

Bora tomar uma. rsrs
.
.

Partiu casa. 
.
.

Meu vídeo no YouTube feito na prova.




Agradecimentos:
Primeiramente a Deus pelo dom da saúde e por me proporcionar completar mais uma maratona. A minha 28ª na carreira.
E um agradecimento super especial ao João pela doação da sua inscrição e por todo o suporte e apoio me dado em Brasília.
Muito obrigado mais uma vez.


Despesas:

Inscrição (que nunca recebi o ressarcimento por conta do site Ticketagora.com): R$215,89
Viagem Ubiratã/Cascavel ida e volta: R$84,43
Passagens aéreas: R$1,363,80
Transporte público e uber: R$64,97
Hotel: R$325,29
Alimentação: R$280,00 (aproximadamente)
Outros gastos: R$39,70

Total de gastos: R$2.158,19