domingo, 22 de janeiro de 2012

Corrida Nº 90 - 87ª Corrida Internacional de São Silvestre - São Paulo-SP - 31/12/2011

.
Nada melhor do que fechar um ano fantástico de corridas em uma das maiores provas do mundo: a São Silvestre. Que apesar de todo o "falatório" sobre a questão de alteração do percurso (por duas vezes, diga-se) tirando a chegada triunfal na Avenida Paulista, a prova foi um sucesso só.
Não vou dizer que aprovei o novo percurso, pois sofri uma pequena lesão na virilha na descida da Brigadeiro que levou pelo menos uma semana pra dar uma melhorada boa.
As duas outras descidas próximas ao estádio do Pacaembu (uma antes e outra quase em frente) são super complicadas, bem como uma subidinha 'enjoada' entre as duas.
Acredito que se a mudança tivesse sido apenas a tirada da chegada na Paulista, mas passando pela rua da Consolação seria muito melhor.
Mas, de uma certa forma, foi uma boa prova.
Com muita festa, como sempre foi e como sempre será a São Silvestre. Independentemente do que fizerem dela. Ou com entrega antecipada de medalhas ou com "trocentas" mudanças no percurso, ela continuará sendo uma festa.

E para mim será sempre uma prova especial, pois foi neste mesmo dia (31/12/2010) que, após a prova, recebi o Convite Oficial de Miguel Delgado para ingressar na equipe Baleias da qual hoje eu me orgulho muito em poder representá-la.
Então, haja o que houver, eu vou fazer de tudo para estar lá todo último dia do ano para comemorar este meu aniversário de ingressão a equipe que em 2011 comemorou o primeiro de muitos anos.



Dados gerais da prova:

Data: Sábado, 31 de Dezembro de 2011
Cidade: São Paulo-SP
Nome da Prova: 87ª Corrida Internacional de São Silvestre
Distância: 15km
Tempo Líquido: 57min30seg
Tempo Bruto: 58:29
Média Por Km: 3min50seg
Número de Peito: 22.589
Atletas Concluíntes na Categoria Geral Masculina: 15.128
Colocação Geral: 272º lugar
Atletas Concluíntes na Faixa Etária de 30 a 34 anos: 2.349
Colocação na Faixa Etária: 67º lugar


Viajei para São Paulo no dia 28/12, com minha avó materna que mora em Diadema e que estava passando o Natal aqui em casa.
Esta foi a primeira, das seis vezes que fui correr a São Silvestre que não fiquei na casa de uma tia que mora no bairro de Perus.

Chegamos em São Paulo no dia seguinte (29/12), depois de 13 horas de viagem e estranhei a temperatura meio fria.
Aqui em Ubiratã chegou a beirar os 40 graus várias vezes. E pra piorar não havia levado nenhum agasalho.
E fez falta. hehe.
O meu eu acabei esquecendo no hotel quando participei da última etapa do Circuito SESC-PR lá em Curitiba e agora ele está na casa da Dani Kato e do Vinícius. Preciso 'resgatá-lo' logo. hehe


No dia seguinte (30/12) fui até o ginásio do Ibirapuera retirar o meu kit onde pude encontrar o amigo Cláudio Rinaldo, pois havíamos marcado um encontro lá.
Na chegada ao ginásio havia muita gente, mas a retirada foi rápida.
Acabei encontrando o Cláudio Duntes na fila da reirada dos kits. Ele que havia combinado com o Matheus Tonello e Carol para se encontrar por lá também. E depois dei uma passada rápida no stander da Revista Contra Relógio para cumprimentar os amigos André Savazone e Sérgio Rocha, bem como o dono da revista: Tomáz Lourenço.


O local da feirinha foi muito pequeno este ano e ficou tudo muito abertado.
Dei uma pequena e rápida olhada nos produtos, mas como estavam muito caro (como sempre) acabei não adquirindo nada. A não ser na "outra feirinha" que acontecia do lado de fora: a feirinha dos camelôs. Onde o preço estava pelo menos quatro vezes mais barato do que lá dentro. E acabei adquindo uma camiseta para 'presentear' o patrocinador da minha inscrição para a São Silvestre este ano: José Bocalon da BCA Transportes de Ubiratã e acabei até ganhando um boné de um amigo e nem vou dizer o nome dele aqui porque não sei se posso. Mas, de qualquer forma, muito obrigado.

Matheus Tonello, Cláudio Duntes, Tutta e Cláudio Rinaldo.
Autora da foto: Carol
.
.

 O bom kit da São Silvester 2011
.
.

Produtos "genéricos" da feirinha dos camelôs


Depois de uma boa e longa conversa com os amigos cada um seguiu seu rumo e eu voltei pra Diadema.


No dia seguinte, o dia da corrida (31/12) o meu primo, Tato, me levou bem cedo para a Paulista.
Saímos de Diadema por volta das 12:15h e com cerca de uma hora ele já estava me deixando próximo ao local de largada onde me despedi dele e de seu filho, Paulo Henrique "Frango" e fui ao encontro de alguns amigos lá na Cantina Nipolitana onde em 2010 teve um belo almoço de confraternização organizado pela Mayumi entre Baleias e amigos.

 
Na cantina Nipolitana:
Matheus Tonello, Carol, Cláudio Duntes, Márcio Barbosa, Tutta e Aline.



Retornando um pouquinho atrás.
Assim que desci do carro do meu primo e andei umas duas quadras vi uma cena inusitada onde eu jamais pensei que ia ver.
Em plena Avenida Paulista uma mulher estava correndo praticamente nua.
Não sei o que deu na cabeça dela que ela "arrancou" praticamente toda a roupa ficando apenas de calcinha (vermelha, hehe). Talvés fosse algum protesto, ou talvés fosse o fato de estar bêbada ou era meio maluca mesmo. rsrs
Nem quis tirar uma foto pra "registrar o momento", pois caso eu tirasse, a vontade de postar aqui seria grande e daí eu poderia ser processado por atentado ao pudor. hehe
Mas, fiquei ali alguns segundinhos "apreciando" aquela cena com ela correndo e tudo balançando (e olhe que o "negócio" era até bem grandinho, hehe) e pelo menos uns quatro ou cinco policiais correndo atrás dela para segurá-la.
Ela não era grande coisa não, mas, se "espremesse" bem, até que dava um bom "caldinho". hehe


Mas, vamos voltar ao que interessa: ao relato da corrida. rsrs


Depois de conversar um pouco com a galera na cantina, retornamos para a Paulista e no meio do caminho o Matheus e a Carol foram para o hotel se preparar para a prova e segui por mais alguns metros com o Cláudio Duntes, Márcio Barbosa, Aline e outras duas belas moças, e um rapaz que não sei quem eram. Mas estavam juntos com o pessoal lá na cantina.


O Cláudio e a galera pararam em uma loja esportiva, pois segundo o Cláudio ele iria comprar um par de meias porque a dele estava molhada. Mas, acredito que nem adiantou nada, pois caiu um baita "pé d'água" do início ao fim da prova e com certeza molhou tudo denovo. rsrs


Ao retornar para a Paulista a tal 'moça' já estava vestida com uma camiseta branca super grande que mais parecia um vestido e já estava bem mais controlada. Mas, pelo fato da camiseta ser branca, com a chuva ficou toda "molhadinha" (hehe) e coloda no corpo. Era quase a mesma coisa se ela nem tivesse usando a camiseta, pois se via tudo da mesma forma. hehe

Bom, mas vamos deixar essa mulher de lado, pois já tenho namorada e vamos em definitivo para o relato da prova. rsrs


Tirei algumas fotos antes de me possicionar para a largada e em seguida fui "penetrando" por entre os inúmeros atletas que já estavam preenchendo a Avenida Paulista com mais de três horas de antecedência para a largada.

 
Duas da tarde e os atletas já estavam esperando a largada que seria as 17:30h.



E como eu não queria largar lá atrás como em 2010 porque queria fazer o meu melhor tempo na prova, suportei bravamente a espera para a largada das 14:20h as 17:30h, praticamente no mesmo local.
Por sorte estava meio nublado, pois do contrário seria quase uma missão impossível ficar ali parado no meio daquela multidão tanto tempo.
Tinha certas horas que doía tudo e não tinha como se alongar direto, pois eu estava bem lá na frente, cerca de uns cinco metros do local que separavam o pelotão geral do local reservado a elite "C".
Mais eu fiquei firme no meu propósito de não arredar o pé dali até a hora da largada.
Fui difícil.
Sofri que nem um "condenado".
Mas, valeu pelo esforço quando vi o resultado no site.

Com duas horas "plantado" ali naquele mesmo lugar, confesso que tive vontade de abandonar o local.
O mormaço que subia do asfalto era tanto e com aquele cheiro horrível de urina quase que tirava a respiração em certos momentos.
É isso mesmo. O pessoal urinavam ali mesmo. Uns em garrafinhas e outros no chão mesmo.
Um negócio horrível.


Essa água aí no chão não era só "fruto" da chuva que caía não.
E nem estas garrifinhas de hidrotônicos cheias ali, estavam com hidrotônicos não. 



Por sorte, em determinados momentos até caía um pequeno chuvisqueiro pra amenizar aquele sofrimento todo.
Era tempo demais esperando.
A hora não passava e pra tentar esquecer que faltava muito tempo para a largada, eu me distraía no celular. Ora mandando mensagem para minha namorada em Ubiratã, ora no Twitter ou tirando algumas fotos.

 
No meio da galera esperando a largada.



Durante a espera para a largada tomei quase 500ml de água, comi duas barras de cereais e cerca de vinte minutos antes da largada tomei um gel de carboidrato.


Assim que foi dada a largada, que na minha opinião acho que foi antes das 17:30h, pois a pouquíssimos minutos antes eu havia postado no Twitter que faltava 15 minutos e depois disso só tirei umas duas ou três fotos e enviei mensagem para minha namorada e coloquei o celular dentro de um saquinho plástico, pois começava a chover naquele momento e estava guardando-o dentro da pochete do meu cinto de hidratação quando derrepente um monte de gente vem me empurrando pelas costas e pra não cair, eu acabei me apoiando nas costas do atleta da frente e ficava olhando para o chão para não pisar no monte de tranqueiras que o pessoal havia deixado e somente alguns segundos depois é que consigo apertar o botão do cronômetro sem saber se alí era o ponto inicial da prova ou não.

Mas, a poucos metros a frente passamos pelo tapete de cronometragem e consegui olhar no meu cronômetro que já estava funcionando e marcava 25 segundos.
Como não pude gerá-lo para recomeçar a marcação corri a prova toda tendo esses 25 segundos de "vantagem" para o tempo líquido da prova.


O sacríficio de ter ficado ali parado mais de três horas tinha valido a pena, pois quase não perdi tempo para encontrar espaço para começar a correr num bom ritmo.
Pude constatar isso já no km 2, pois não vi o primeiro.


No km 2 o meu cronômetro marcava oito minutos.
Mas, isso somando os 25 segundos iniciais. Ou seja, no tempo "líquido" eu estaria com praticamente 7min30, ou 3min45seg/km. Esse era o tempo que eu havia planejado em correr cada km, subindo para 4min apenas na subida da Brigadeiro.
Eu estava correndo "fácil", apenas tomando um pouco de cuidado nas duas descidas próximas ao Estádio do Pacaembu e para não pisar nas faixas brancas pintadas nas ruas, pois estavam super lisas.
Quando se fazia uma curva então, o cuidado tinha que ser redobrado e diminuir um pouco a velocidade.


Fui muitíssimo bem até o km 8 quando o tempo cronometrado no meu relógio era de 30 minutos.
Se eu conseguisse manter o mesmo ritmo nos 7kms finais eu conseguiria fechar a prova com 56 minutos.
Mas a partir dali a chuva aumentou mais ainda e o cansaço começou a chegar.
As pernas ficaram pesadas e não estava mais conseguindo manter o mesmo ritmo que subiu pra 4min/km em média dali pra frente.
Cheguei no km 10 com pouco mais de 38 minutos pelo tempo "bruto" do meu cronômetro.
Dali em diante fui tentando, no mínimo, manter estes 4min/km mais assim que chegou no km final da subida da Brigadeiro não teve como manter. Passei esse km (do 12 para o 13) com pouco mais de 4min30seg.
Quase um minuto acima do ritmo inicial.


De tão cansado que eu estava e querendo vencer aquela subida logo, eu nem vi passar pela Avenida Paulista.
Só percebi que tinha passado por ela quando já estava descendo a Brigadeiro e foi ali, naquela descida que comecei a sentir dores em um dos dedos do pé direito.


A descida era tão inclinada, e o fato de estar chovendo e molhado todo o tênis, o pé ficava "escorregando" dentro dele e ia pra frente, precionando junto a ponta do tênis.
Resultado: métade de uma unha preta e dois cortes no tal dedo devido ao atrito.


Eu particularmente gosto de correr em descida, mas ali eu não consegui correr.
Talvés fosse pelo fato de ficar tanto tempo parado esperando pela largada da prova e ter começado a correr sem fazer um breve aquecimento, ou pelo fato da descida ser tão forte que ao invés de se correr, tinha que se segurar para não se "esborrachar" com a cara no chão.


Pra tentar amenizar um pouco a dor do dedo se "espremendo" no ponta do tênis eu tentava correr batendo com o calcanhar no chão pra tentar fazer com que o pé voltasse pra trás, mas sem grande sucesso.
Só quando a descida ficou menos intensa é que eu pude correr sem muitas dores e procurei tentar forçar o máximo o ritmo no km final. Mas, não consegui fazer mais do que 3min40seg este último km e a prova em 58 minutos pelo tempo bruto do meu cronômetro que depois foi corrigido pelo site e o tempo oficial ficou em 57min30seg e recorde pessoal na prova.

Confesso que no momento em que concluí a corrida e olhei para o relógio eu não fiquei nada satisfeito, pois queria ter feito melhor e sabia que dava pra ter feito melhor.
Mas, o fato da longa espera para a largada acho que deve ter atrapalhou bastante a minha performance.
Porém, no dia 4 de janeiro quando consegui visualizar pela primeira vez a classificação no site da Yescom, eu fiquei super contente. Pois, o meu nome figurava na 254ª colocação geral e mesmo, dias depois (na data de edição desta postagem) caindo para a 272ª colocação, essa sem dúvida nenhuma foi a minha melhor participação na Corrida de São Silvestre.
Mas, que pretendo melhorar em 2012. Caso eu consiga largar no pelotão da Elite "C", que é a minha vontade para este ano.
Acredito que se eu largar nesse pelotão eu consigo melhorar em até uns 4 minutos o tempo de 2011.


video
Vídeo da minha chegada.
Eu venho por "fora" e apareço embaixo do relógio de cronometragem da prova com cerca de 27 segundos de gravação.
Estou de short preto, camiseta laranja e boné branco.


Não sei porque todo mundo pára ali no pórtico na hora da chegada.
Fica um tumulto só. E o pior é que o locutor avisa pra ninguém parar.
Pô, sai do caminho e abre espaço pra quem vem chegando, caramba!
O Parque do Ibirapuera é tão gande e fica todo mundo aglomerado ali.
Tive que empurrar vários atletas para tentar sair e ir buscar a minha medalha que achei muito linda por sinal.
Nisso a Yescom acertou. Bem como o kit pós-prova que foi muito bom: duas barras de cereais, duas maçãs pequenas, uma bolacha doce e uma garrafa de Gatorade pequena.
O que tava complicado era andar naquela grama do parque que virou uma lama só devido ao grande número de atletas.

Inclusive, eu acho que foi uma idéia acertada em se fazer a chegada ali no Ibirapuera, pois acredito que a Paulista não teria espaço o suficiente para suportar tantos corredores.

Fiquei assistindo a chegada da galera por cerca de meia hora e era gente demais.


Vi o cascavelense e Baleias Matheus Tonello a cerca de 500 metros antes da chegada. Até gritei ele mais acho que não ouviu.
Até tentei voltar para a chegada para encontrá-lo e parabenizá-lo pela boa estréia na São Silvestre, mas a minha virilha reclamou naquela hora.
Acho que foi pelo fato de forçar bastante no último km da prova e por não ter feito alongamento depois dela.
Só sei que na hora que eu desci de uma mureta onde eu havia subido para poder visualizar melhor os atletas chegando, eu senti uma dor que estava me impedindo de andar direito.
E como eu também estava quase congelando por causa do frio, resolvi ir embora e avisar depois a ele o motivo de minha ausência ali no final.


Antes de ir, procurei tirar uma foto minha para registrar o momento, mas quando abri a pochete do cinto de hidratação a camiseta que estava lá dentro estava encharcada e a câmera estava no meio dela, toda molhada.
Na mesma hora retirei a batéria e o cartão de memória e embrulhei em uma sacolinha plástica e tornei a guardar e só liguei a câmera dois dias depois quando ela estava totalmente seca, pois uma outra vez eu acabei estragando uma ligando-a molhada.
Apenas peguei o celular e fiz algumas fotos mais não ficaram nada boas. Porém, serve como lembrança de minha melhor participação na São Silvestre.

 
 Foto tirada de um Celular Nokia C-3 tendo ao fundo a enorme árvore de Natal e o Monumento do Obelisco. Repare como eu estava literalmente encharcado.



Depois, liguei para o meu primo lá em Diadema para vir me buscar, mas devido a forte chuva ele demorou cerca de duas horas até chegar no portão 6 do Parque do Ibirapuera onde havíamos combinado e cerca de uma hora e meia depois já estávamos na casa da irmã dele onde celebramos a chegada de mais um ano.


Acho que seria basicamente isso o que eu tinha pra dizer a respeito desta que foi a minha 18ª e última prova de 2011.


Segue abaixo mais algumas fotos.


Quem disse que eu não subi no pódio da São Silvestre. hehe
Foto tirada na feirinha do ginásio do Ibirapuera e enviada pela Yescom sem custo algum.
.
.

 
"Roubando" um pouca da 'velocidade' do The Flash que me levou sem problemas e muito bem até o km 8.
.
.

 
Fui perceber depois, mas nessa foto apareceu "Jesus Cristo" com sua cruz, o que, provavelmente, me fez 'pesar' e não seguir num bom ritmo após o km 8. hehe
.
.

 
Mantendo um bom ritmo, apesar da forte chuva.
.
.

Aqui, já na parte final, estou sofrendo um pouco mais para manter um ritmo de 4min/km.
.
.

 Minha classificação geral na prova
.
.

Minha classificação na faixa etária de 30 a 34 anos.
.
.

E a bela medalha da prova.
.
.


Pra finalizar quero agradecer a Deus pelo dom da saúde e proteção para comigo durante todas estas viagens que fiz em 2011 e pelo excelente encerramento de um ano maravilhoso na minha vida de atleta amador.
Agradeço também ao José Bocalon, da BCA Transportes de Ubiratã por ter pago a minha inscrição.
Ao Fábio do Site Ubiratã On Line pela divulgação de uma matéria falando sobre minha participação na prova, bem como aos radialistas Jabuti da Nova Clube Am e ao Brugão da Difusora Am. Este último me ligou duas vezes em São Paulo e me entrevistou ao vivo, antes e depois da prova.
E um agradecimento especial a todos os amigos que tiram um pouco de seu tempo livre e vieram aqui para ler e comentar os meus simples e longos textos ao longo de 2011.

Ah, e um agradecimento também ao meu primo Tato por ter me levado e buscado no centro de São Paulo no dia da prova.


A todos um Feliz 2012 com muita saúde, paz e prosperidade.




Ps: quero apenas deixar registrado e mandar um abraço ao Walter.
Nos encontramos dentro de um ônibus pouco depois de saírmos do terminal do Jabaquara.
Me desculpe aí por não ter te reconhecido de imediato, ok Walter.
Abraço.


Um pouco mais sobre a prova pode ser visto no site do Globo Esporte clicando aqui e aqui.




Confira o tempo das seis primeiras colocadas da São Silvestre 2011:
1ª) Priscah Jeptoo (QUE) - 48m48s
2ª) Wude Ayalew (ETI) - 48m52s
3ª) Eunice Kirwa (QUE) - 50m58s
4ª) Nadia Ejjafini (ITA) - 51m19s
5ª) Rumokol Chepkanan (QUE) - 51m44s
6ª) Cruz Nonata (BRA) - 51m59s

Confira o tempo dos oito primeiros colocados da São Silvestre 2011:
1º) Tariku Bekele (ETI) - 43m35s
2º) Mark Korir (QUE) - 43m58s
3º) Matthew Kisorio (QUE) - 44m12s
4º) Martin Lel (QUE) - 44m28s
5º) Najin El Qady (MAR) - 44m32s
6º) Barnabas Kosgei (QUE) - 44m45s
7º) Damião de Souza (BRA) - 44m53s
8º) Marílson Gomes dos Santos (BRA) - 45m06s



tutta - BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com

6 comentários:

Tiago Antunes disse...

BAH QUE SHOW HEIM TUTTA! parabéns pela prova, pelo resultado e também pelo ótimo encerramento de 2011! Grande abraço

Robson Corredor disse...

Meus Parabéns Tutta!!!
Pela corrida e pela postagem, com muitos detalhes e informações pertinentes ao mundo da corrida na mais famosa corrida no Brasil.

Abco

corridaderuafoz.blogspot.com

Mayumi disse...

Eita!!! Que legal que deu tudo certo na SS! Eu não fui pois tinha horáiro paara chegar no Reveillon e como a chegada seria num lugar diferente da largada, eu ia gastar muito tempo na locomoção. Além de que eu não sou boa em correr em ladeiras, fico super-travada! Já fiz treinos de ladeiras com o treinador gritando: "Solta o freio de mão! Solta!" Kkkkkkk. Morro de medo de rolar morro abaixo! Rs.
Bons treinos! Da próxima vez que vier de férias, me dá um alô!

CORRENDO QUE ME ENTENDO disse...

Voce é um figurão !!! Parabens pela SS apesar de ser paulistano agora só curto esta prova pela televisão que esta uma porcaria a cobertura visa mais a prova feminina do que a masculina. a SS acaba virando uma Maratona tamanha resistencia vc tem que ter na largada , alias ja é um treinamento militar ficar parado no mar de urina daquele chão, por isso abri mão da prova a largada incomoda demais,dá um toque no seu blog quando estiver em São Paulo, ai vamos se encontrar e se divertir !! FELIZ 2012

Fabi ♥♥♥ disse...

E a pessoa aqui tentando imaginar a mulher pelada com tudo balançando kkkkkk
Parabéns pela prova seu tempo foi Sensacional!!!
Tutta você ja viu a possibilidade para largar na Elite C? Tenho um amigo corredor que larga lá,conhece o Régis do Blog Amo Correr??? Então conversa com ele,pelo seu tempo vale a pena tentar e não ficar nesse sofrimento todo.Se precisar envio o email dele ok?

Bons Kms e boa semana.

Fabi =)

tutta disse...

Resposta ao Tiago Antunes:
Obrigado Tiago.
Abraço e tudo de bom pra você.


Resposta ao Robson Corredor:
Obrigado Robson.
Abraço.


Resposta a Mayumi:
Graças a Deus Mayumi, deu tudo certo sim. Mas, para isso eu sofri bastante. Só que valeu todo o sofrimento. hehe
Quanto a locomoção após a chegada lá no Ibirapuera ficou muito ruim mesmo. Mas, fazer o que né? rsrs
Sobre o percurso em ladeiras, eu até gosto de correr em terreno assim, mas desta vez não fui tão bem não. hehe
E o perigo de se cair é enorme, pois dependendo da intensidade da ladeira o peso do seu corpo vai tudo pra frente e se você exagerar na velocidade, as suas pernas podem não conseguir acompanhar e a queda é inevitável. rsrs
E pode deixar que eu darei um jeito de avisar quando eu estiver de férias aí em São Paulo sim, ok?
Beijo e sucesso pra você.


Resposta ao Correndo que me entendo:
Na verdade eu nem iria correr a São Silvestre este ano. Decidi de última hora e apesar de toda a 'lambança' que a Yescom vem fazendo com ela, acho que não deixarei de participar enquanto eu tiver saúde e dinheiro pra poder viajar até São Paulo.
Quanto à "maratona" que se torna a São Silvestre, acredito que em uma maratona se cansa menos.
Eu corri a de Curitiba em 2011 pra 2h51 e na São Silvestre se for contar desde o tempo que entrei no local de largada dá mais de 4h. hehe
Tem que haver largada ou por ondas, ou por comprovação de tempo, pois assim cada ano vai ser mais difício.
E na medida do possível eu havisarei sim quando eu estiver aí em São Paulo.
Mas, vou dar um toque: sempre vou estar nas provas cujo link de inscrição aparecem na lateral direita da meu blog, ok?
Abraço e obrigado pelo comentário.


Resposta a Fabi:
Foi uma bela cena aquela Fabi. hehe
Eu deveria ter filmado. kkkkkkk
Obrigado pelos parabéns tá?
Pena foi que não deu pra gente marcar um encontro aí né?
Fica para a próxima.
Quanto a largar na "Elite C", pelo que li no regulamento a gente paga um valor X, no caso de 2011 foi 500 reais sem o kit especial e 800 reais com o tal kit.
Pretendo fazer umas economias este ano e pagar esta taxa pra ter um pouco mais de tranqüilidade na hora da prova. Pois ali dá pra entrar no local cerca de meia hora antes e dá pra fazer um bom aquecimento.
E acredito que se eu conseguir largar lá, eu diminuo pelo menos uns 4 minutos desse tempo que fiz em 2011.
Em relação ao Régis, eu não o conheço não. Não sigo o blog dele.
Se você puder mandar pelo menos o link do blog dele já deve me ajudar um pouco. hehe
Beijo e tudo de bom pra você linda.
Saudades...


tutta/BALEIAS/PR
www.correndocorridas.blogspot.com