domingo, 21 de agosto de 2011

Corrida Nº 82 - Maratona Internacional de Assunção Paraguai (07/ago/2011)

.
Primeiramente quero pedir desculpas a todos os amigos blogueiros pela minha ausência do blog nestes últimos dias. Mas, como voltei meio desanimado lá de Assunção, por este motivo preferi me afastar um pouco pra tentar me recuperar da desgastante viagem.
Nos próximos dias procurarei dar uma passada no blog de cada um de vocês para saber das novidades.
E como todos já sabem, eu não completei a Maratona de Assunção no último dia 7 de agosto. Porém, fiz apenas um breve comentário no post anterior, mas sem muitos detalhes do antes, o durante e o depois da prova que farei isso agora.


Dados gerais da prova:

Data: Domingo, 07 de agosto de 2011
Cidade: Assunção-Paraguai
Nome da Prova: Maratona Internacional de Assunção
Distância: 42,195km
Tempo de Conclusão: Não concluí
Distância Percorrida: 38kms
Tempo: 3h10min30seg
Média Por Km: 5min
Número de Peito: 123
Atletas Concluíntes na Categoria Geral Masculina: 227
Colocação Geral: Não obtive
Atletas Concluíntes na Faixa Etária 30 a 34 anos: 41
Colocação Faixa Etária: Não obtive


A "maratona" pra mim já começou desde a quinta-feira dia 4 de agosto.
Naquele dia acordei as 7:00h da manhã, pois as 7:30h eu teria a última sessão de fisioterapia devido a uma tendinite patelar no joelho direto que me impediu de treinar nas três semanas que antecederam esta prova no Paraguai. Porém, fiz dois pequenos treinos de 10kms na terça (dia 02) e na quarta (dia 03) pra sentir como estava e graças a Deus não senti dores.

Bom, depois da sessão de fisio, fui para o trabalho onde fiquei até as 17:00h.
As 20h00 embarcava na rodoviária de Ubiratã com destino a Maringá onde pegaria o voo para Curitiba na manhã seguinte: 6:00h.

Cheguei em Maringá por volta das 00:20h e graças a super colaboração do amigo blogueiro e corredor Marcos que havia me pedido para ligar pra ele assim que eu chegasse a cidade, fui levado de moto até o aeroporto. Nem sei o que falar ou o que fazer para lhe retribuir tamanha gentileza Marcos. Pois, você foi muito importante pra mim nesta viagem.
No momento o que posso lhe dizer é muito obrigado.

Chegamos ao aeroporto por volta da 1:00h da manhã, mais ou menos.
Conversamos um pouco e depois ele retornou para sua casa para o devido descanso, pois trabalharia no dia seguinte. Enquanto eu ficava ali, acordado, desde as 7 da manhã (de quinta-feira) e esperando o voo das 6 da manhã (de sexta-feira). Tudo sem poder dormir.
Não por ansiedade, mas por não ter lugar mesmo. hehe

E a grande hora chegou.
Seis horas em ponto o voo partiu rumo a Curitiba.
Eu que nunca havia viajado de avião fiquei meio na expectativa e senti algo meio esquisito ao adentrar o avião.
Lembrei do filme Vivos - aquele em que o avião caiu na Cordilheira dos Andes há algum tempo atrás com uns jogadores de um certo esporte que não me recordo o nome agora e devido ao mal tempo ficaram mais de 70 dias a mercê de ajuda e tiveram que "comer" seus amigos mortos para não morrerem também.
Que ótima hora pra pensar nisso, não acham? rsrs

Quando o avião começou a subir senti algo estranho demais... hehe
Sentia que me faltava o ar, o coração disparou, parecia que as pernas queriam flutuar, achei que iria passar mal. Foi algo estranho demais, porém, gostoso ao mesmo tempo. rsrs
Via a cidade de Maringá linda e iluminada lá do alto, foi fantástico demais. hehe
Quarenta minutos depois estava em Curitiba.

Há poucos instantes do novo embarque (11:15h) rumo a Assunção, eis que vem ao meu encontro o amigo virtual Sérgio do blog Corredor Feliz. Fiquei 'feliz' da vida por tê-lo encontrado. hehe
Porém, acredito que não o reconheceria se ele não tivesse vindo falar comigo. Parecia estar bem diferente do blog. rsrs
Mais, foi muito bom poder encontrá-lo por ali, onde conversamos um pouco e ele até me apresentou umas pessoas que infelizmente deixei escapar os nomes deles da memória agora.

Momentos depois estávamos todos dentro do avião onde encontramos a grande maioria dos membros da animada equipe Baleias que ficaria completa na chegada à Assunção.
Neste embarque, eu já estava bem "familiarizado" com a idéia de voar e curti ao máximo. Tirando fotos e filmando partes do voo.
Viajar de avião é bom demais. hehe

Na chegada a Assunção tiramos a primeira foto do grupo com direito a placa de boas vindas e tudo. hehe

Quase todos os integrantes da equipe Baleias na chegada ao aeroporto em Assunção



Depois fomos levados de Van para o hotel e em seguida fomos todos para a retirada dos kits que ficava a menos de três quadras dali.

Na retirada do kit:
Carlos Magno, Zilda, Miguel, Matheus, Wu, Cláudio Duntes, ???, Eu e Sérgio.



O kit foi composto com número, chip, boné, camiseta e alguns outros brindes. E um detalhe importantíssimo: tinha até um seguro contra acidentes. Coisa raríssima aqui no Brasil. E olhe que lá em Assunção nem exigiram atestado médico para participar das provas.

Depois dei uma pequena "passeada" com parte do grupo Baleias, que logo em seguida entraram em um mercadinho para comprar algo e fiquei esperando eles junto com o Matheus (Baleias de Cascavel) e sua simpática esposa Carol. Mas, como a turma estava demorando no mercadinho, Matheus, sua esposa e eu seguimos cada um para o seu hotel, mas eu acabei nem entrando no meu. Pois, os amigos Ênio, Olício e Ailton estavam saindo para dar uma voltinha e se "hidratarem" e acabei indo junto e tomamos algumas cervejas e comemos um pastel que estava ruim pra caramba. hehe

Ênio-BH, Olício, Tutta e Ailton se "hidratando" num barzinho
.
.

Os "belos" ônibus de Assunção



E na seqüência retornamos ao hotel onde pude tomar um bom banho e as 20h00 "caí" na cama depois de 37 horas acordado. Nem quis saber de jantar, tamanho era o cansaço. hehe
Onze horas mais tarde acordava como uma fome enorme e depois de um belo café da manhã no hotel saímos eu e o meu "companheiro" de quarto (Olício) para um passeio por Assunção.

Palácio do Governo Paraguaio
.
.

Návio de Guerra, Rio Paraguai e eu nos fundos do Palácio do Governo



Acabamos até dando uma volta naqueles "sucatão" em forma de ônibus postados acima e fomos até o estádio de Futebol Defensores Del Chaco, mas infelizmente não podemos entrar pois estava fechado.

Estrutura do estádio do Cerro Porteño: Defensores Del Chaco



Depois retornamos a pé ao hotel e acabei ficando mais uns minutos no quarto onde acabei pegando no sono. Quando "acordei" não havia mais ninguém dos Baleias por perto e por este motivo eu não sabia onde tinha um restaurante barato na cidade e acabei almoçando no próprio hotel onde paguei 40.000 guaranis (cerca de 18,00 reais) de uma boa comida.
E a tarde mais cama. kkkkk

A noite fomos todos ao jantar de massas (no mesmo local da retirada do kit) onde podemos repor mais algumas enérgias que seriam todas gastas na prova do dia seguinte e ainda nos divertirmos com músicas e apresentações da cultura paraguaia.
Tudo muito bonito.

No Jantar de massas.
Elis, Cláudio, Mayumi, Sérgio, Miguel, Tutta e Ana
.
.

Conheci também as mais novas Baleias paranaenses de Cascavel, Danieli e Andréia.

Danieli e Andréia, aumentando pra três o número de Baleias em Cascavel, contando com Matheus e pra cinco o número de Baleias no Paraná e que em breve serão seis, pois a Carol, esposa do Matheus estreará na equipe no próximo domingo (28/08) em Londrina e é de lá que tem um outro Baleias, o Sílvio, o primeiro Baleias paranaense. E eu de Ubiratã completando o time.


Depois do jantar alguns, inclusive eu, foram para o devido descanso enquanto outros ainda perambulavam pelas ruas da capital Assunção.


O Dia "D"

Acordei por volta das 4:40h da manhã e as 5:00h desci para o café da manhã juntamente com o Olício, meu companheiro de quarto.
Logo em seguida voltamos ao quarto e por volta das 6:00h fomos ao local de largada da prova.
Fomos a pé mesmo, pois estávamos bem próximos.

Antes da largada posse para uma (que na realidade foram inúmeras) foto oficial onde compareceram todos os Baleias que iriam participar das provas de 10, 21 e 42 kms. Eram 30 no total.
Assunção ficou laranja nesse dia.

De pé: José, Tutta, Zilda, Ailton, Daniele-BH, Neto, Lana, Bonitão da Meire, Betinha, Meire, Cláudio Duntes, Elis, Tinil, Carlos Magno, Marinez, Aline, Márcio, Ênio-SP, Isabel, ???, Miguel.

Sentados: Matheus, Olício, Sérgio, Rogério, Ênio-BH, ???, Marcelinho, Danieli e Andréia.

Peço desculpas por não lembrar o nome de todos e se acaso errei algum nome aí, ok galera?
Eram muitos. hehe
Mais fica a disposição de vocês pra citar quem eu esqueci ou pra fazer alguma correção, beleza?
.
.

Baleias do Paraná:
Matheus, Andréia, Danieli e Tutta



A largada foi dada as 7:00h em ponto pelo atual presidente paraguaio Fernando Lugo e com vários fogos de artifícios.
Eu acreditando (mesmo sem treino nas últimas três semanas) que dava pra completar a prova abaixo de três horas e "tracei" um objetivo: correr a primeira metade da prova em 1h24 e a segunda em 1h36 ou talvéz alguns segundos a menos.
Me posicionei bem a frente, porém, atrás do pelotão de elite.

Momentos antes da largada.
Foto: Carol



Saí em um bom ritmo.
Nesse início nem senti a falta de treinos.
Não vi a placa do km 1 e assim que cheguei no 2º km reparei que estava dentro do planejado: 7min55seg.
Passei o amigo "Paraguai" da cidade de Toledo neste instante e o cumprimentei. Ele que quebraria logo depois do km 30.
Na seqüência, km 3 mais ou menos, emparelha comigo um paraguaio num ritmo idêntico ao meu e sigo com ele.
Quando eu ficava um pouco pra trás dele, ele falava, porém eu não entendia nada, mas com os gestos que ele fazia eu entendia que era pra mim ficar ali do lado dele pra mantermos aquele ritmo.

Passamos o km 10 e o meu cronômetro marcava 39 minutos. Rápido demais para quem estava sem treino e estava correndo uma maratona. Mas, estava me sentindo bem, e aquele paraguaio me "ajudava", ora ele puxando o ritmo, ora eu.
Porém, em uma, das várias subidas do percurso ele ficou pra trás.
Começou a caminhar e eu fazia gestos pra ele vir ao meu lado mais não estava mais suportanto o ritmo. Menos mal que ele iria fazer apenas a meia. Coisa que eu poderia ter feito também. hehe

Como eu não consegui fazer com que ele continuasse no mesmo ritmo que o meu, fui seguindo e nesta altura eu estava sozinho.
Via apenas uns dois atletas lá muito longe de mim.

Passei a marca de 15 kms com menos de 59 minutos e a partir dali o meu ritmo já começava a cair um pouco.
Sem o paraguaio ao meu lado e sem ninguém próximo pra tentar acompanhá-lo foi inevitável uma perda de rendimento.
Tanto é que quando cheguei no km 21 (metade da prova) o meu tempo já era de 1h24min03seg.
Consegui manter o ritmo de 4min/km somente até o km 22 quando "afoguei" com a água.
Achei que iria desmaiar ali, pois não conseguia respirar.
Dei uns leves socos no peito e forçava a respiração até que tudo voltou ao normal, porém, depois disso caminhei por quase uns 500 metros e quando retomei a corrida o ritmo já chegava próximo aos 4min30seg/km.

Logo em seguida fiz o retorno e na volta encontro com Tinil, o mais rápido maratonista da equipe Baleias. Ele estava cerca de 1,5 km atrás de mim. Nos cumprimentamos e seguimos. Ele em busca do retorno e eu rumo a linha de chegada. Pelo menos era o que eu queria. hehe
Porém, o cansaço já era enorme.
Não senti em momento algum as dores no joelho, no entando, as duas cochas começaram a doer de uma forma anormal. Nunca havia sentido aquilo, nem em treino. Talvéz tenha sido a falta deles que elas (as dores) começaram a aparecer.
Nessa altura a tempuratura já estava lá no alto, aliás, começamos a prova já com ela nas alturas: 22 graus.
E naquele momento havia pouca sombra no percurso. Menos mal que também haviam poucas subidas. A grande maioria já havia ficado pra trás.

Com estas dores e o cansaço, a cada posto de hidratação que eu passava, eu pegava um ou dois copos de água ou uma garrafa de hidrotônico e saía caminhando e tomando. Não queria "afogar" denovo. rsrs
Peguei ainda durante o percurso metade de uma banana e um "gominho" de mexirica pra tentar repor um pouco mais de enérgia.

Mas, ao chegar no km 32, já bem mal das pernas e agora com dores no peito (lado esquerdo) e costas. Novamente pego algo pra tomar e caminho enquanto tomo, só que depois não conseguia mais ter forças pra voltar a correr. Nessa altura o meu tempo de corrida era pouco menos que 2h10. Portanto, faltando pouco mais de 50 minutos para as tão esperadas 3h00.
Resolvi então seguir assim até o km seguinte (km 33) porém, não consegui dar mais do que uns 10 passos correndo e tudo doía. Vi que não seria nada fácil completar aqueles 9 kms que restavam.

No km 35 tive vontade de abandonar, mas como eu nunca havia feito isso em uma corrida, não queria fazer isso logo ali, naquela prova tão esperada por mim. E além do mais eu era um Baleias e Baleias são fortes, persistentes, arrojados. Então eu continuei.
Tentava imprimir um ritmo de caminhada mais forte, mas não conseguia.
Os pés mal saiam do chão.

No km 36 o maratonista mais rápido da equipe Baleias (Tinil) me ultrapassava e tentou me dar uma força pedindo para que eu volte a correr e o acompanhe. Mas, sem condições e sem forças eu disse a ele que não dava. Eu não conseguia. Estava quebrado, literalmente quebrado.
Na verdade, eu até fiquei um pouco preoculpado com ele antes da ultrapassagem, pois lá no retorno ele estava a cerca de 1,5 km atrás de mim. E eu já estava caminhando a 4 kms e ele nada de me alcansar. Mas, acredito que deva ter sido o calor. Se bem que ele também estava lesionado, mas resistiu até o final.
Após a ultrapassagem percebi que ele estava bem e seguiu pra consquistar o segundo lugar em sua faixa etária.

Já eu, a cada km que passava ficava mais difícil.
No km 37 passou uma ambulância por mim, quase pedi pra parar, mas achei que não seria nada legal terminar uma prova dentro de uma ambulância.

Na falta de "combustível" encontrei um pé de laranja na calçada com uma laranja amarelinha que acabara de cair. Catei-a e ao começar a descascar, percebi que era daquelas laranjas do mato. Daquelas amargas. Próprias pra fazer doces.
Mesmo assim, dei uma boa "bocada" nela e joguei o resto no lixo.

Já no km seguinte (38) com 3 horas 10 minutos e 30 segundos de "sofrimento", chega ao fim a minha maratona.
Não tinha mais forças pra continuar e por este motivo levantei a mão quando vi que um motoqueiro da organização vinha ao meu encontro e pedi pra ele me levar pro final.
Não queria parar, mas acredito que naquele momento foi a coisa mais certa que fiz.

Frustração: muita.
Dores: mais ainda.
Porém, continuar poderia ser bem pior.

Demorei quase um minuto pra subir na moto, tamanha era a dificuldade de "esticar" as pernas.

E como demorou pra percorrermos aqueles 4 km finais de moto.
Acho que eu morreria pelo caminho caso eu tentasse terminá-la caminhando. hehe

No km 41, passo pelo Tinil, porém, nem o cumprimentei porque estava quase desacordado naquela garupa de moto.
Ao chegar próximo ao pórtico de chegada, desço da moto, tiro a tornozeleira do chip e passo pra fora do alambrado quase sem conseguir caminhar direito e vou rumo às arquibancadas onde estavam os demais amigos Baleias que correram as provas menores (10 e 21k).

Todos perguntam o que houve. Tentei explicar, mas nem sei se consegui.
Até pra falar estava com um pouco de dificuldade.

Depois de alguns minutos, perguntei ao Matheus que correu os 10k onde eu poderia devolver o chip e ele me levou até lá, onde fiz questão de pegar a minha medalha, no entando, não a pendurei no pescoso, pois não fui digno, apenas quis ter uma lembrança da prova e a medalha faria jus a esta lembrança, não muito boa é verdade.
Mas, enfim... eu tinha que trazê-la.

Nem usuflui do kit lanche.
Já na saída a garotada quizeram tomar de mim. Acabei dando só as "bananas" (frutas) mas que me fariam falta depois. hehe
Fiquei apenas com a garrafa de Powerade que já havia "escondido" na mochila, o suco (ou sei lá o que era aquilo) e com a barra de cereal. Mas, na verdade, não gostei do suco. Estava quente e o sabor não era gostoso. Dei-o então a uma garotinha de uns 10 ou 11 anos que passava por mim naquele momento e depois entreguei metade da barrinha de cereal e boa parte da garrafa de Powerade que eu havia guardado na mochila pra uma outra criança que estava por lá.

Com esta quebra na prova, acabei quebrando também a extraordinária seqüência de pódios na minha carreira. Foram sete nas últimas sete provas antes desta maratona no Paraguai.

E foi mais ou menos isso que me aconteceu na prova.

Depois, fiquei na arquibancada com os demais integrantes da equipe que incentivavam de uma forma especial cada atleta que passava por ali.
Ficamos todos reunidos até o último integrante da equipe completar a prova e depois fomos todos para o hotel onde ficamos mais um bom tempo na esquina do hotel Chaco comemorando a amizade e a vitória pessoal de cada um.
Eu, no entando, fui consolado por todos e a frustração de não ter completado a prova foi amenizada.
Obrigado equipe Baleias.

Mais a tarde boa parte da equipe (já que alguns já tinham seguido viagem para o Brasil) estavam na casa de Mirtha (organizadora da prova) numa grande confraternização onde havia também a presença do Ministro dos Esportes daquele país e na volta ainda saímos para um pequeno passeio com mais comes e bebis.

No dia seguinte, caminhando feito um "robocop" fui comprar algumas "lembrancinhas" pra minha família e depois era hora de voar de volta pra casa e na chegada a Curitiba despedi dos amigos e desci do avião para esperar um outro voo para Maringá.
Enquanto esperava o meu voo, me despedi de um casal super simpáticos. O Sr. Nilo e a Dona Clair e depois fiquei conversando com um outro casal também super simpáticos. O Sr. Vital e sua esposa a Dona Jussara e quando eles embarcaram eu fiquei sozinho no aeroporto esperando o meu voo que seria a 1:00h da manhã, mas atrasou por cerca de uma hora.
Quando cheguei em Maringá me encaminhei direto pra rodoviária, mas só pude voltar pra casa as 7:00h da manhã, pois não havia outro horário de ônibus. Portanto, mais um dia inteiro sem dormir. Foram 37 horas pra ir e 24 horas pra voltar. Quando embarquei no ônibus consegui dormir apenas 2 horas, de Maringá a Campo Mourão e depois passei o resto do dia até as 22h30 acordado. Foi uma ótimo viagem, porém, muito desgastante.

Nos dias seguintes à prova, ainda sentia algumas dores e bastante dificuldade para me locomover.
Na quinta-feira (dia 11) resolvi dar um trotezinho de 6km leve para ver se me recuperava. Mas, foi aí que percebi o estrago que a Maratona de Assunção me fez.

No dia seguinte a corrida lá em Assunção, senti um leve desconforto seguido de dor no meu testículo esquerdo (nem sei porque estou contanto isso aqui, mas vamos lá. hehe). Só que nos dois dias seguintes, elas melhoram. No entanto, com o trote de quinta-feira a dor voltou e veio com um inchaço (inflamação).
Graças a colaboração do amigo Matheus de Cascavel, consegui consulta com um urulogista esta semana (17/08) e foi constato uma Orquite.
Conclusão, me suspendeu por pelo menos 10 a 12 dias da corrida; ou seja, o mês de agosto já era.
Portanto, não poderei correr na Maratona de Londrina no próximo dia 28/08 e também não irei correr a Maratona de Foz do Iguaçu no dia 25/09 por falta de treinos. Não quero que aconteça o mesmo que aconteceu em Assunção. Pretendo, quem sabe, correr pelo menos os 11,5km em anexo a maratona em Foz.
Quero recomeçar os treinos já no próximo dia 1º de setembro para estar na Maratona de Curitiba no dia 20 de novembro rumo as 2h48.


PS: Desde a véspera da minha viagem à Maringá (03/08) estava trocando mensagens via celular com uma garota aqui de Ubiratã e na chegada (09/08) começamos a namorar.
Desculpem-me, mais eu tinha que contar isso. hehe



Segue abaixo mais algumas fotos:

Dentro do avião rumo a Assunção: Tadeu, Lana e Tutta
.
.

Cataratas do Iguaçu vista lá do alto
.
.

Represa da Usina Hidrelétrica de Itaipu em Foz do Iguaçu
.
.

Hotel Chaco em Assunção
.
.

Meu número personalizado
.
.

Eu, João que foi o vencedor da maratona na categoria cadeirante e Sr. Nilo que venceu sua faixa etária (só não me recordo se ele correu os 10 ou os 21k)
.
.

Chegada de Wu e Ênio-BH.
Wu mais uma vez chegou na frente de Miguel Delgado
.
.

Miguel Delgado.
Derrotado por Wu, mas vitorioso por completar mais uma maratona
.
.

"Festa" em frente ao Hotel Chaco após o complemento da prova
.
.

"Festa" dentro do Hotel Chaco esperando a premiação.
Nesta equipe o que vale mesmo é a festa.
Vitória ou derrota; tempo bom ou ruim; pódio ou não, o que vale é celebrar a amizade, sempre...
.
.

Com Betinha e Meire, ambas conquistaram troféus em suas categorias
.
.

Com Tinil, o maratonista mais rápido da equipe Baleias com seu troféu
.
.

Com um amigo de Toledo que também conquistou seu trofelzinho em Assunção
.
.

Sr. Nilo que é um "simpatizante" da equipe Baleias e os Baleias; Meire que acabou desmaiando no final da prova mas depois ficou tudo bem e pode comemorar esta conquista, Tinil e Betinha cada um com o seu prêmio conquistado em Assunção.
.
.

Assunção vista do terraço do Hotel Chaco
.
.

Piscina no terraço do Hotel Chaco.
Pena que eu só fiquei sabendo da existência dela há poucas horas do retorno pra casa, pois do contrário, seria uma boa idéia após a maratona. hehe
.
.

Com Dona Clair, uma simpatia de pessoa e seu esposo Sr. Nilo
.
.

Reportagem em um jornal paraguaio sobre a maratona no dia seguinte a prova
.
.

Classificação geral masculina
.
.

Classificação da faixa etária de 30 a 34 anos.
O meu nome era pra estar figurando em segundo aí. hehe
.
.

Apesar de não ter completado a prova, fiquei com a medalha como lembrança desta minha primeira quebra em uma corrida
.
.

E a foto que valeu o final de semana em Assunção.
Com Larissa Riquelme no aeroporto.
Quase não foi possível conseguir esta foto, pois ela já estava entrando na sala de embarque.
Mas, como "bom" corredor que sou, acelerei as passadas e fui em busca do "tesouro". hehe
.
.


Dinheiro gastos com a participação nesta prova:

Inscrição: 100,00 R$
Viagens Aéreas: 510,00 R$
Viagens de Ônibus: 70,00 R$
Hotel: 150,00 R$
Outros Gastos: 280,00 R$ (lanches, alimentação, compras, táxis, compras de guaranis pra coleção de notas de dinheiro)

Total: 1.110,00 R$

PS: Porém, teve mais gastos:
1 - Foram 230,00 R$ (duzentos e trinta reais) com a consulta, a fisioterapia e o remédio para o joelho;
2 - Mais 116,00 R$ (cento e dezesseis reais) que foi descontado do meu salário devido a minha falta no mesmo;
3 - E mais 110,00 R$ (cento e dez reais *por enquanto*) devido ao "probleminha" que citei mais acima.
Portanto; foram gastos 1.566,00 R$ (mil, quinhentos e sessenta e seis reais) até o momento desta postagem.



Notas: 1 - Agradecimentos:
A Deus em primeiro lugar pela ótima viagem, estádia e saúde a mim dispensadas.
Ao grande e eterno amigo Miguel Delgado, pois se não fosse ele este meu sonho nem sei se poderia se realizar um dia.
Ao Marcos por ter ficado acordado até tarde e me levado da rodoviária ao aeroporto de Maringá.
Aos amigos que sempre torceram e me mandaram muita enérgia possitiva me desejando uma boa prova, mas infelizmente eu fracassei. Só que pretendo voltar e da próxima vez completar os 42.195 metros desta prova.
A minha querida mãe, que me deu as duas passagens de ônibus de Ubiratã a Maringá ida e volta, já que fiquei só na esperança de uma ajuda por parte da Secretária Municipal de Esportes de Ubiratã e nada aconteceu.
Aos amigos radialistas Jabuti da Nova Clube e ao Carbono da Difusora, ambas AMs que divulgaram e me entrevistaram antes e depois da prova e ao Fábio do site Ubiratã Online pela publicação de uma matéria na internet sobre a minha participação na prova paraguaia.

2 - Apesar de ter tido algum apoio de algumas empresas daqui de Ubiratã nos últimos meses, não usei o dinheiro deles para esta viagem.
Só pra constar, restam 243 reais e 15 centavos deste patrocínio que logo mais posto sobre quem são (ou quem foram) eles.

3 - Falhas em Assunção:
Na minha humilde opinião, a água não deveria ter sido servida em copinhos abertos.
O Powerade, não deveria ser entregue nas garrafas, pois assim o desperdício foi enorme.
E os atletas desistentes deveriam ser levados para algum reservado que não os permitissem cruzar a linha de chegada após terem tido o apoio sendo transportados de moto ou outro meio de transporte.
Eu, por exemplo, fui deixado cerca de 200 metos do pórtico de chegada e se eu quisesse cruzá-lo, bastaria seguir em frente que o meu chip iria ser lido pelos computadores e eu poderia até rceber premiação, mesmo depois de ter percorrido 4 kms de moto.
Fiquei sabendo de alguém que fez isso e acabou como primeiro lugar na faixa etária.
Um absurdo.

4 - Como citei no início desta postagem e mais declaradamente na anterior, eu voltei de Assunção bastante desanimado e sem vontade de correr. Mas, já posso dizer que a vontade está voltando. Acredito que todo aquele desânimo tenha sido pelas longas horas sem dormir que me causou um desgaste imenso.
Pretendo voltar a treinar já nos próximos dias, ok galera!

5 - As fotos contidas acima no blog, bem como algumas outras podem ser visualizadas clicando aqui.

6 - Mais sobre a Maratona de Assunção no blog: Ex-Sedentário.





tutta-BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com

15 comentários:

sacadura disse...

Eeeeeeeee!!!!!!!O Tutta voltou!!!!!
E aí Tutta, voltou com tudo hein?Namorada nova e com disposição para retomar os treinos.Que legal!!!!Desejo uma boa recuperação e volte com cautela,não exagere nos treinos .abç

DricaPeixoto disse...

Meu amigo, que sua lesão vá embora o mais rápido possível para que você consiga continuar voando baixo nas pistas.

Beijos, cuide-se!

tutta disse...

Resposta ao Sacadura:
Valeu pela força Sacadura.
Na realidade, o meu desânimo ou falta de coragem para os treinos se deu por conta da desgastante viagem tanto na ida como na volta de Assunção, pois nas duas ocasiões fiquei mais de um dia e meio sem dormir devido a espera em rodovárias e em aeroportos e o corpo ficou debilitado. Mas, agora está tudo se normalizando e no mais tardar no dia 1º de setembro já retornarei aos treinos, pois primeiro preciso me recuperar do "probleminha" citado no texto acima. hehe
E quanto a namorada, acredito que poderá ser um ânimo extra na minha "retomada". hehe
Abraço e tudo de bom pra você.


Resposta a Drica Peixoto:
Obrigado amiga.
Mas, quanto a lesão, graças a Deus não sinto mais nada, pelo menos não no joelho. Falta apenas a recuperação do "probleminha" que citei no texto. hehe
Beijo e muito obrigado pela força.
Sucesso a você.


tutta-BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com

Fabi disse...

Oi não tinha recebido sua atualização,obrigada por enviar.

Tutta,sei que a frustação não foi pequena mas sei que você logo mais volta com tudo,cuida da lesão e vamos comemorar muito ainda =)

Desculpe mas ri demais com a parte da laranja do mato kkkkk e a danada estava azeda argh! hehe

Hummm gostei de saber que o coração esta quentinho =) seja feliz querido você merece viu.

Fabi =)

Ricardo Hoffmann disse...

Meu amigo, o mundo dá voltas. Problemas de ontem são solucionados hoje e novos problemas de hoje, serão solucionados em breve. força ai! E continue indo pra cima! Abração.

Anônimo disse...

Caro Tutta,

Seu relato sobre a prova me fez lembrar os momentos felizes em Assunção, até na maratona que pra mim foi desgastante. Espero que melhore rápido e que os treinos o animem para a próxima. Se tudo der certo, estaremos em Curitiba.
Um abraço,
Enio.

tutta disse...

Resposta a Fabi:
Essa atualização não apareceu pra ninguém, não sei porque.

Quanto a frustração da quebra lá em Assunção foi grande sim Fabi, mas a equipe Baleias foi fundamental para amenizar isso e agora até já me esqueci de que não completei a prova. hehe
Quanto a lesão, já está quase curada. Pretendo voltar aos treinos já na próxima semana.
E sobre a laranja, ela não é azeda, é amarga. rsrsrs
Mais naquelas horas eu nem queria saber de nada, eu tava precisando ingerir alguma coisa. hehe
E quanto ao coração, está "quentinho" sim... hehe
Valeu amiga.
Obrigado e seja feliz você também.
Beijo.


Resposta ao Ricardo Hoffmann:
É isso aí Ricardo.
Se Deus quiser voltarei com tudo aos treinos novamente.
Abraço e tudo de bom pra você.


Resposta ao "Anônimo" Ênio:
Que bom que este meu "simples" texto te fez lembrar dos momentos de Assunção. Todos os momentos de recordação são sempre bem vindos, mesmo os momentos mais ruins e desgastantes, pois em todos eles podemos tirar grandes aprendizados.

Já estou quase bom e se Deus quiser estaremos sim em Curitiba.
Abraço e obrigado pelo comentário.


tutta/BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com

Rinaldo disse...

Olá Tutta,

Nem precisa dizer que você fez mais do que muita gente, não só pela distância percorrida mas pelo bom senso de saber quando parar. E o fato não desmerece as outras conquistas, elas permanecem, junto com a experiência que você adquiriu nesta prova. Seu relato é de altíssimo valor para todos nós que entramos nestas doideiras de corridas longas, muito obrigado!

Grande abraço e boa recuperação!

Claudio Rinaldo
http://numerodepeito.blogspot.com/
http://cicloviadigital.blogspot.com/

tutta disse...

Resposta ao Rinaldo:
Valeu Rinaldo.
Abraço e obrigado.
Bosn treinos pra você.


tutta-BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com

Thiago Melo disse...

Grande Tutta,
Dessa vez não deu, mas fica para próxima. A meu ver você saiu no lucro: voou de avião pela primeira vez, conheceu outro país, tirou foto com a Larissa e ainda ganhou uma namorada.
Obs. minha postagens tem sempre uma guloseima no fim...será que as suas terão sempre uma mulher bonita...heheh...bom marketing!
Parabéns,
Thiago Melo
http://corredoraprendiz.blogspot.com/

Matheus Tonello disse...

Tutta, encontrei Miguel, Wu e baleias em Londrina. Lembramos muito de você e concordamos que você fez certo em não vir. Teve uma passagem hilária. Alguém perguntou: Ubiratã é uma cidade? Aí respondemos que era onde o Tutta morava. Então Miguel largou a pérola:

Tutta mora em Ubiratã ou é Ubiratã que mora em Tutta?

Genial!

tutta disse...

Resposta ao Thiago Melo:
É como diria um "velho ditado popular": Há males que vem para benes. rsrs
Se por um lado foi ruim pelo fato de não completar a prova, por outro, com certeza valeu muito, pois voei pela primeira vez de avião, tirei foto com uma musa como a Larissa e ao chegar em casa ainda ganhei uma namorada. hehe
Bom, mas em relação ao "sempre" ter uma mulher bonita ao final de cada postagem minha eu não sei. Aquela de Asunção foi mera casualidade do destino. hehe
Mas, se haver oportunidades com certeza não perderei a chance. hehe
Abraço e obrigado pelo comentário.


Resposta ao Matheus Tonello:
Esse Miguel é fantástico. rsrs

Espero que todos tenham feito uma boa prova em Londrina hoje de manhã
Um forte abraço a você, a sua esposa Carol e a todos os Baleias que marcaram presença na 1ª Maratona de Londrina.


tutta-BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com

Mayumi disse...

Oi, Tutta! Desculpe-me a demora em vir aqui comentar! De qualquer forma, parabéns pelos 38 km. Não é fácil não! Ainda mais nesse ritmo, mais rápido que o Tinil! Vixe! E realmente estava muito quente, principalmente aos que fizeram a maratona. Eu me inscrevi para a meia, mas a intenção era fazer 2 meias em 2 semanas seguidas. O que ocorreu é que eu destendi os ligamentos antes da largada da primeira meia, e acabei fazendo as 2 meias capengas! Rsrsrs. Vou tentar treinar legal para uma prova. Vamos ver!
Quer dizer que foram até passear de jardineira? Rsrs. O carro que alugamos também não estava longe disso! Kkkk.
E vamos para a próxima! Boa recuperação e cuide-se!

Avicor disse...

Tutta que sacanagem cara , quebrar justamente no Paraguai na maratona !!
Mas meu camarada valeu a viajem essa foto com a bambina Larissa !!
QUE GATA !!

Valeu um abraço !!

Romildo

tutta disse...

Resposta a Mayumi:
Nem precisa se desculpar não Mayumi, eu também demoro pra ir no seu blog. hehe
Foi "capenga" mais pelo menos você consegui completar as duas meias, já eu nem capenga conseguiria terminar aqueles 4kms que faltavam da maratona. rsrs
Mas, se Deus quiser eu ei de voltar lá e vencer aqueles 42.195 metros.
Valeu pelo comentário, ok?
Beijo e bons treinos.

Ah, e aquelas "jardineiras" só estavam o bagaço por dentro. Tudo feio, sujo, enferrujado e os bancos quase todos rasgados. rsrs


Resposta ao Avicor:
Pra você ver né Romildo.
Mas, já era "esperado" esta quebra. Pois, como relatei no texto, estava a três semanas sem treinos devido a uma antiga lesão no joelho.
Mas, valeu por ter conhecido outro país, se bem que eu já conhecia o Paraguai atravéz de Cidade Del Leste e Salto Del Guairá, mas foi bacana conhecer a Capital daquele país, bem como a viagem de avião que foi a minha primeira e claro, a foto com a Larissa que com certeza foi o prêmio máximo que eu poderia ter "ganho" naquele final de semana. hehe
Abraço e bons treinos.


tutta/BALEIAS/Pr
www.correndocorridas.blogspot.com